.

Palmas, 25/03/2017

Economia

Viver

Dia Mundial do Consumidor: Como gastar menos do que ganha?

  • Afinal, muitas pessoas acreditam que o seu salário não é suficiente para as suas despesas, o que exige mudanças comportamentais imediatas para que não falte dinheiro no decorrer do mês


Como gastar menos do que se ganha é a pergunta que não quer calar. Afinal, muitas pessoas acreditam que o seu salário não é suficiente para as suas despesas, o que exige mudanças comportamentais imediatas para que não falte dinheiro no decorrer do mês – discussão importante para esta semana, já que nesta quarta-feira, 15 de março, é celebrado o Dia Mundial dos Direitos do Consumidor.

Não quero aqui sugerir que se sinta satisfeito com o que ganha, muito pelo contrário, é fundamental buscar sempre melhorias. Contudo, elas demandam tempo e estratégia, coisas que a maioria das pessoas não tem.

Se as contas não estão fechando, é hora de repensar totalmente as suas finanças, repensar o seu padrão de vida. Pode parecer difícil, mas é fundamental observar que não é sustentável viver uma realidade que não é a sua. Saiba, cortar gastos é uma atitude necessária para ganhar fôlego.

Um ponto em que é preciso ficar atento é o dos pequenos gastos, das despesas e compras feitas de forma desordenada e acabam se tornando grandes ralos por onde escoam as economias. Você sabia que, em média, 25% dos gastos mensais são supérfluos e/ou desnecessários? As pessoas sempre dizem que não têm mais de onde reduzir os gastos, mas, ao fazer uma boa análise, observam que é sim possível.

É preciso fazer um diagnóstico da vida financeira por 30 dias, anotando tudo o que gasta, separando por tipo de despesa, incluindo cafezinhos e gorjetas. Assim, verá uma realidade muito diferente da que imagina. Mas ressalto que não se deve virar escravo dessa anotação, pois, quando vira rotina, perde a eficácia.

Priorize seus sonhos

Você reconhece a importância de priorizar seus sonhos em seu orçamento mensal? Muitas pessoas deixam para poupar para os seus objetivos quando – e se – sobrar algum dinheiro no final do mês. Se você estiver fazendo dessa forma, esqueça! Dificilmente conseguirá conquistar seus sonhos no momento planejado.

Recomendo que, a partir de agora, mude o modelo mental relacionado a forma de fazer um orçamento financeiro. É chegada a hora de priorizar aquilo que realmente importa, os sonhos e as metas pessoais e familiares. Lembre que para colher resultados diferentes é preciso agir diferente, mudar atitudes e hábitos.

Não digo para esquecermos ou fingirmos que a crise não existe, muito pelo contrário, precisamos compreendê-la e ter consciência que ela está aí, mas acredito que, priorizando os nossos objetivos de vida, passaremos por essa fase da melhor maneira possível.

Observe como funciona o seu orçamento hoje. A maioria das pessoas faz a seguinte conta: Ganhos (-) Gastos = Lucro/Prejuízo. Não adianta esperar que, assim, sobre algum dinheiro ao final do mês para poupar. Acredite: dificilmente isso acontecerá, até porque temos a tendência de gastar enquanto tivermos, é natural, mas é algo que tende a levar à frustração por não conseguir realizar os sonhos.

Sendo assim, apresento um novo cálculo: Ganhos (-) Sonhos (-) Gastos. Veja, dessa forma não há lucro ou prejuízo, as contas batem e você estará priorizando seus objetivos e ajustando seu padrão de vida ao valor que sobrar. Para isso, logo que receber o salário, já se deve retirar a quantia mensal necessária para a realização, colocando esse dinheiro na melhor opção de investimento de acordo com o prazo desse sonho.

É importante que tenha pelo menos três sonhos ao mesmo tempo: um de curto prazo (a ser realizado em 2017 – ou nos próximos doze meses – para adultos e no próximo mês para crianças), outro de médio prazo (entre um e dez anos para adultos e entre um e seis meses para crianças) e um último de longo prazo (a ser realizado a partir de dez anos para adultos e a partir de seis meses para crianças).

Veja que é muito mais uma questão de mudança de comportamento do que saber fazer contas ou ter que se privar de algo. Quando temos metas bem definidas em nossas vidas, poupar não se torna um martírio e sim um estilo de vida, que levará a muito mais realizações e conquistas.

Reinaldo Domingos é doutor em educação financeira, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin) e da DSOP Educação Financeira e autor do best-seller Terapia Financeira, do lançamento Diário dos Sonhos e da primeira Coleção Didática de Educação Financeira do Brasil.


Confira também


Comentários

comments powered by Disqus