Palmas, 26/05/2017

Entrevista

Educação

Professora Ana Lúcia conta suas aprendizagens nos caminhos da educação

  • Na sua caminhada pela educação, Ana Lúcia passou por todos os setores, foi coordenadora pedagógica, professora, gestora escolar, coordenadora de biblioteca e agora atua no setor administrativo

Elias Oliveira

Professora Ana Lúcia conta suas aprendizagens nos caminhos da educação



Josélia de Lima / Governo do Tocantins
 
A educadora Ana Lúcia da Paz Araújo Schneider, que trabalha como secretária na Escola Estadual Duque de Caxias, em Taquaruçu, escolheu trabalhar na educação por incentivo do seu pai, o pastor Jovino de Nascimento Araújo, que dedicou parte do seu tempo na arte de educar. Foi Jovino que reuniu, numa sala improvisada, os filhos dos moradores das fazendas e chácaras que povoavam o que é hoje o distrito de Taquaruçu, dando origem à Escola Estadual Duque de Caxias, que neste ano, completará 70 anos de criação.

Na sua caminhada pela educação, Ana Lúcia passou por todos os setores, foi coordenadora pedagógica, professora, gestora escolar, coordenadora de biblioteca e agora atua no setor administrativo. Para ela, o maior desafio foi na ocasião que era gestora, que tinha que lidar com diferentes interesses, atendia alunos, servidores e comunidade escolar. "Foi um desafio, aprendíamos a cada dia a lidar com as pessoas e isso foi um crescimento para a vida e uma constante aprendizagem". Ana Lúcia trabalha na Escola Duque de Caxias desde 1996. Ela foi gestora da escola, no período de 2010 a 2013.

Como o seu pai viajava muito na missão de evangelizar, ela morou em Natividade, Porto Nacional e em Carolina (Maranhão), mas sempre voltava para o povoado de Taquaruçu, onde moravam os avós. Em Porto, Ana Lúcia cursou a graduação em Letras e em Recife (PE) fez o curso de Educação Religiosa.

Falando sobre a educação como fator de construção de uma sociedade melhor, Ana Lúcia explicou que a educação não está sendo usada corretamente para esse fim. "A educação é uma arma poderosa na transformação social, mas é necessário que isso seja uma visão de todas as pessoas envolvidas. É um trabalho que os resultados só aparecem em longo prazo".

Ana Lúcia compartilha as lições que o seu pai repassava. "Ele dizia que na educação não se deve economizar. Isso sempre foi um estímulo para a nossa vida. Meu pai também montou uma biblioteca para que os seus filhos aprendessem as lições dos livros".

Amigo de Frederico Pedreira

O pai de Ana Lúcia era seminarista quando chegou a Taquaruçu e no salão da igreja montou uma sala de aula, tinha como companheiro de sonhos, o professor Frederico José Pedreira Neto, conhecido como ‘Didi Pedreira", que também morava em Taquaruçu e alfabetizava as crianças.

Esses dois professores trocaram ideias sobre a prática pedagógica e mesmo com poucos recursos disponíveis na época, eles ajudaram a alfabetizar as crianças que moravam na região. Na época, eram duas turmas de alunos que se fundiram e deu origem à Escola Estadual Duque de Caxias.

E foi a arte de ensinar que proporcionou a Ana Lúcia ter uma vida profissional sólida e a ajudar na formação de seres humanos melhores. "Sou muito feliz por ter escolhido uma área tão importante para atuar", disse Ana Lúcia.


Confira também


Comentários

comments powered by Disqus