Palmas, 23/11/2017

Sa√ļde

Tocantinópolis

DPE-TO quer acompanhar reforma atrasada de hospital em Tocantinópolis

  • A obra est√° atrasada h√° quase dois meses, j√° que a previs√£o de entrega seria 20 de mar√ßo

DPE-TO quer acompanhar reforma atrasada de hospital em Tocantinópolis



Autor: Keliane Vale

Uma vistoria no Hospital Municipal Jos√© Sab√≥ia de Sousa Lima, em Tocantin√≥polis, no √ļltimo dia 11, verificou que a reforma est√° com as obras paralisadas em raz√£o de entraves na licita√ß√£o, fato este que acaba por diminuir a quantidade e qualidade do atendimento da unidade, com oferta de 12 leitos atualmente, quando antes disponibilizava 35. A vistoria foi realizada pelo defensor p√ļblico Magnus Kelly Louren√ßo de Medeiros e a assistente Social Izabel Sab√≥ya, acompanhados do coordenador de enfermagem Andr√© Cruz Morais da Silva.

Segundo a Diretoria Administrativa do hospital, a reforma teve in√≠cio em outubro de 2016, sendo que a obra est√° atrasada h√° quase dois meses, j√° que a previs√£o de entrega seria 20 de mar√ßo ‚Äď o pr√©dio onde funciona o hospital √© uma constru√ß√£o de mais de 30 anos. "O Hospital encontra-se funcionando de forma prec√°ria, visto que o pr√©dio √© antigo e n√£o houve a devida manuten√ß√£o em sua estrutura f√≠sica. N√£o existe praticamente sistema de ar-condicionado funcionando em qualquer das salas de interna√ß√£o, sendo que os pacientes refrescam-se do intenso calor exclusivamente com ventiladores de mesa", relatou o Defensor P√ļblico Magnus Kelly.

A DPE-TO solicitar√° ao gestor municipal, bem como ao secret√°rio de Sa√ļde, que prestem esclarecimentos quanto aos pontos falhos apontados na vistoria em rela√ß√£o √† licita√ß√£o da reforma do hospital, andamento do concurso p√ļblico na √°rea da sa√ļde e n√ļmero de profissionais atuantes na rede municipal de sa√ļde, bem como estruturas de sa√ļde e medicamentos dispon√≠veis, para esclarecimentos dos pontos insatisfat√≥rios no diagn√≥stico realizado.

Insatisfatório

Na vistoria, foi relatado que somente cirurgias eletivas s√£o realizadas e apenas duas vezes por m√™s, o que obriga a popula√ß√£o a deslocar-se para cidades vizinhas como Augustin√≥polis e Aragua√≠na. Segundo informa√ß√Ķes repassadas, a equipe de sa√ļde atende cerca de 80% da demanda existente, ou seja, n√£o totalmente suficiente. Segundo informado, no hospital trabalham cerca de 40 profissionais de sa√ļde entre enfermeiros, t√©cnicos de enfermagem e um m√©dico cirurgi√£o que realiza cirurgias eletivas duas vezes por m√™s. Os demais m√©dicos contratados pelo munic√≠pio atuam nos postos de sa√ļde existentes na localidade.

Sobre os equipamentos de diagnóstico da unidade, observou-se que não existe equipamento de ultrassonografia fixo, sendo que foi informado que um equipamento móvel é trazido pelo próprio médico contratado. Também existe um equipamento de raio-X, que, todavia, não possui processamento de fotos automático, sendo as fotos reveladas manualmente. Quanto aos exames laboratoriais, são realizados atualmente exames básicos como hemograma e urina; já exames de sorologia, tais como, hepatite, HIV, ferritina, hepatite e outros são realizados por laboratórios contratados, que no momento encontram-se suspensos, aguardando a finalização de procedimento licitatório.

A respeito dos equipamentos m√≥veis de uso cont√≠nuo dos servidores p√ļblicos e do p√ļblico em geral, observa-se as seguintes defici√™ncias: bancos de madeira sem acolchoamento, lixeiras sem tampa, toldos rasgados e v√°rios materiais deteriorados, como macas.

A equipe da Defensoria demonstrou preocupação com a contaminação da rouparia, que é colocada para secar ao tempo em varais, e a contaminação do lençol freático, ocasionado pelo uso de fossas para o descarte de produtos humanos, como vísceras, cobrindo-se apenas com cal virgem. Já o lixo hospitalar é dispensado em depósito próprio e coletado pelo menos duas vezes por semana, por veículo específico da Prefeitura, ou seja, não é o mesmo que realiza a coleta do lixo comum.

Estrutura

Anexo √† unidade hospitalar, funcionam um posto de sa√ļde, laborat√≥rio de an√°lises cl√≠nicas e diretoria administrativa. O Hospital disp√Ķe ainda de um centro obst√©trico subsidiado pela "Rede Cegonha". J√° os atendimentos de urg√™ncia e emerg√™ncia no munic√≠pio, s√£o encaminhados a uma UPA ‚Äď Unidade de Pronto Atendimento, que funciona h√° seis meses.


Confira também


Coment√°rios

comments powered by Disqus