Palmas, 11/12/2017

Saúde

Agentes de Saúde

Fundamentais para o atendimento aos usuários do SUS, agentes de saúde falam sobre as alegrias e desafios da profissão

  • Que na área da saúde, Palmas tem 100% de cobertura na Atenção Primária todos já sabem. O que nem todo mundo sabe é que existe um profissional fundamental para que a assistência ao usuário do Sistema Único de Saúde (SUS) de fato aconteça


Que na área da saúde, Palmas tem 100% de cobertura na Atenção Primária todos já sabem. O que nem todo mundo sabe é que existe um profissional fundamental para que a assistência ao usuário do Sistema Único de Saúde (SUS) de fato aconteça. Esse profissional é o Agente Comunitário de Saúde, que tem uma data dedicada só para ele, dia 4 de outubro, Dia Nacional do Agente Comunitário de Saúde. E para celebrar a data, três desses profissionais que atuam na Capital falam do amor e dedicação com que exercem seu papel promovendo saúde e prevenção junto à comunidade.
 
No Centro de Saúde da Comunidade (CSC) Loaine Moreno (Arse 24), por exemplo, uma das quatro equipes de Saúde da Família, conta com a agente Edileusa Lima Nunes, 39 anos, 14 deles se dedicando aos usuários do SUS. Ela, que também é membro do conselho de saúde local, tem sob sua responsabilidade 602 usuários, o que equivale a 204 famílias, visitadas por ela com frequência. "O trabalho do agente é 100% prevenção e promoção, ele facilita o dia a dia do paciente, principalmente na comunidade, ele leva informação , educação em saúde, tira dúvidas. O agente comunitário de saúde é uma peça muito importante dentro do quadro da saúde", afirma Edileusa.
 
A relação com os demais profissionais que compõem a equipe de Saúde da Família é vista por Edileusa como "relação de parceria", não sendo possível andar separados. "O agente entra na casa da família, conhece as especificidades da família e o médico está no consultório, considerando que ele também faz visita domiciliar de acordo com a necessidade do paciente, mas quando o paciente conversa com ele no consultório e depois o médico conversa com o agente de saúde que reforça as recomendações médicas, na próxima consulta já há um vínculo maior daquele paciente com o médico e com o agente. Essa ponte é fundamental para o paciente e para o médico", considera.
 
O CSC Liberdade (Jardim Aureny III) também conta com um agente comunitário de saúde dedicado. Para ele, não tem final de semana e nem feriado para sair de porta em porta, visitando a comunidade. Como ele mesmo diz: "Eu gosto de trabalhar." Aos 50 anos, 18 deles atuando como agente, ele conta como é sua rotina. "Faço visita domiciliar, acompanho os usuários hipertensos, diabéticos, as gestantes e os bebezinhos, e ainda olho o quintal para ver se não tem um criadouro propício para o Aedes aegypti. Trabalho a prevenção, porque ninguém gosta de ficar doente", conta ele, que está sempre atento, quando surge um morador novo na região em que atua, trata logo de cadastrá-lo no sistema E-Sus. "O agente de saúde é parceiro do usuário, é aquele que facilita o acesso dele ao centro de saúde, faz o cartão da família e do SUS e repassa as demandas dos usuários para o médico. Gosto demais do que faço", conclui Januário Dias, que tem sob sua responsabilidade 133 famílias, quase 400 pessoas.
 
Saúde Rural
 
A área de atuação do CSC Valéria Martins (Arse 122) contempla também a região de chácaras Baixo Tiúba, que há três anos conta com a agente comunitária de saúde rural, Rosa Odete da Costa. Rosa conta que quando saiu o edital do último concurso da Semus e viu que tinha vaga para ser agente de saúde rural, logo se identificou, fez a inscrição e conquistou a única vaga que tinha. "Eu sou filha de produtor, nasci na roça, gosto demais da área de agricultura e de saúde, áreas que me identifico bastante", diz Rosa, que tem ciência do que o usuário do SUS da zona rural de fato entende por saúde.
 
"Saúde para eles é conquistar seu pedaço de terra, plantar e sobreviver daquilo. Eles exigem muito pouco da gente, até porque não estão na cidade todo dia, não estão neste mundo globalizado igual ao paciente da cidade. E eu tento que mostrar para a gestão que a saúde rural deve ser vista de uma forma muito especial", ressalta a agente, destacando que as demandas do campo são diferentes da cidade.
 
"Os acidentes são outros, você não vê um morador da roça se acidentar de carro, o acidente dele é picada de escorpião, de cobra, queimadura, exposição ao sol, uma vaca que pega, cair de uma árvore para cortar alguma coisa, ser envenenado com agrotóxico", relata Rosa que conta com a parceria das secretarias de Desenvolvimento Rural, do Desenvolvimento Social e da Fundação Meio Ambiente para levar mais conhecimentos para as 123 famílias da região, cerca de 600 pessoas. "Se eu levo o agrônomo ele ensina a n ão usar veneno; o meio ambiente fala para não fazer queimadas, não degradar o meio ambiente. Tudo isso contribui também para a saúde deles."
 
Rosa ressalta ainda que o paciente rural tem dificuldade de entender o que é prevenção e de tomar remédio. "Eles querem tomar remédios à base de plantas medicinais. E, como presidente do conselho local de saúde, estou tentando fazer uma horta comunitária justamente para isso, para valorizar o conhecimento do paciente rural que tem outra visão de saúde, que deve ser respeitada sem perder o vínculo com o centro de saúde", conclui.


Confira também


Comentários

comments powered by Disqus