Palmas, 27/06/2017

Últimas

Projeto Barraginhas

Projeto Barraginhas revitaliza córregos e garante a produção dos pequenos agricultores

  • Os tratores que realizam a construção das pequenas bacias que represam a água da chuva, do projeto Barraginhas, chegam ao município de Porto Alegre do Tocantins para a execução de 200 represas no dia 1º de abril

Fernando Alves

Projeto Barraginhas revitaliza córregos e garante a produção dos pequenos agricultores



Suene Moraes/Governo do Tocantins
 
Os tratores que realizam a construção das pequenas bacias que represam a água da chuva, do projeto Barraginhas, chegam ao município de Porto Alegre do Tocantins para a execução de 200 represas no dia 1º de abril. O projeto é realizado pelo Governo do Tocantins, via Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh), em parceria com o Instituto de Desenvolvimento Rural (Ruraltins). 
 
A represa é planejada com o objetivo de evitar que a chuva cause erosão e leve a terra para o leito dos rios, ocasionando o assoreamento. Com a barraginha, a água da chuva é retida e infiltra na terra, propiciando a revitalização dos rios e dos córregos. 
 
Assim como nos demais municípios da região sudeste, a ação atenderá cerca de 70 famílias. "Estamos em Dianópolis, onde estão sendo construídas 200 bacias, e de lá seguiremos para Porto Alegre do Tocantins. O nosso cronograma está sendo executado dentro do prazo estabelecido e vamos chegar ao 12º município", ressaltou o diretor de Planejamento e Recursos Hídricos, Aldo Azevedo. Até o momento, segundo dados fornecidos pelo diretor, foram construídas aproximadamente 2.300 barraginhas. 
 
O projeto Barraginhas iniciou em abril de 2016. Em menos de um ano a ação passou por onze cidades tocantinenses: Taguatinga, Ponte Alta do Bom Jesus, Taipas, Arraias, Novo Alegre, Combinado, Lavandeira, Aurora do Tocantins, Novo Jardim, Rio da Conceição e Dianópolis. No total o projeto vai atender 18 municípios, todos localizados na região sudeste do Estado. 
 
Projeto
 
Após estarem em pleno funcionamento, as barraginhas são usadas para regar as plantações e auxiliar na manutenção dos animais que são criados. "É uma proposta integrada, por promover a sustentabilidade, devido ao impacto ambiental ser baixíssimo, além de ser uma ferramenta de revitalização dos rios e dos córregos, e é um instrumento para os produtores rurais na sua subsistência", explicou a secretária de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Meire Carreira. 
 
A ação, segundo Meire, é uma das metas do Governo do Estado para atenuar a seca da região sudeste. "O investimento é de aproximadamente R$ 2 milhões, por meio do Fundo Estadual de Recursos Hídricos, e serão construídas 3.564 barraginhas no total", informou. 
 
O projeto atende também os parâmetros da Agenda de Desenvolvimento Sustentável Pós-2015, agora chamada Agenda 2030, que engloba um conjunto de programas, ações e diretrizes que orientarão os trabalhos das Nações Unidas e de seus países membros rumo ao desenvolvimento sustentável. 
 
Esperança
 
O pequeno produtor rural do município de Taguatingua, João Pereira Souza, morador do local há 15 anos, ressaltou que antes não tinha nenhuma esperança de garantir o plantio para o futuro e nem para a criação do gado, devido à falta de água. "Agora, podemos plantar sem medo. Agradeço primeiro a Deus e, em segundo, ao Governo, que olhou para nós aqui no assentamento. Com as chuvas, estamos fartos, pois as barraginhas guardaram a água e podemos plantar e criar os animais", declarou. 
 
Outro beneficiário da cidade de Rio da Conceição, Miguel Barbosa Macedo contou que, por volta do final de agosto e início de setembro, a água já começa a faltar. "Agora, com elas [as barraginhas], vai ajudar muito, vamos ter água para molhar as hortas e para os animais", afirmou. Antes, segundo o agricultor, para manter a criação era necessário andar muito para conseguir água. "Sabemos que vamos ter água. Sem isso, não podemos fazer nada", finalizou.


Confira também


Comentários

comments powered by Disqus