.

Palmas, 25/04/2017

Viver

Cotas na UFT

II Seminário de Desafios Indígenas abordará os 12 anos de Políticas de Cotas na UFT

  • O objetivo do Seminário é apresentar os principais desafios enfrentados pelos povos indígenas do Tocantins e estabelecer um espaço permanente de discussão na Universidade

Elini Oliveira

II Seminário de Desafios Indígenas abordará os 12 anos de Políticas de Cotas na UFT



Os 12 anos de Políticas de Cotas Indígenas na UFT será tema de discussão do II Seminário Desafios Indígenas. O evento, que terá inicio nesta terça-feira (18) e encerrará na quarta (19), pretende promover um diálogo inicial sobre o tema entre a universidade, estudantes, lideranças estudantis e instituições de apoio aos povos indígenas, com abertura também para discussões de permanências para os cotistas quilombolas e os oriundos de escola pública. O seminário será realizado no auditório do Bloco III, no Campus de Palmas, a partir das 9h. As inscrições poderão ser feitas no local.

O objetivo do Seminário é apresentar os principais desafios enfrentados pelos povos indígenas do Tocantins e estabelecer um espaço permanente de discussão na Universidade, considerando questões como Relações Interétnicas, Saúde, Educação, Território e Meio Ambiente, a fim de convidar o poder público e toda a sociedade a refletir sobre a relação historicamente constituída entre o Estado do Tocantins e suas populações originárias. O organizador do evento, professor Adriano Castorino, explica que a universidade precisa ir além do acesso e em como se dá o processo de ingresso dos cotistas na instituição. "É necessário que realizemos uma interação entre a universidade e os estudantes, para que assim eles possam junto conosco apresentar os desafios que ainda necessitamos superar para a permanência", ressalta. 

O estudante de Direito, Paulo André Ixati Karajá, conta que o evento é uma oportunidade para que os alunos indígenas possam exercer o protagonismo no seu local de fala. " Espero que possamos sair deste seminário com a certeza de que a universidade necessita pensar em mecanismos e auxílios que foquem nas particularidades e dificuldades dos discentes indígenas para a sua permanência na instituição".

De acordo com Castorino, o Seminário será dividido em dois momentos, no primeiro dia (18), os estudantes terão o espaço para apresentar e debater sobre as suas experiências e desafios para a permanência na universidade. No segundo dia as reivindicações e relatos serão apresentados para a mesa composta pela reitora da UFT, Isabel Auler; por Maria Santana dos Santos, pró-reitora de Extensão, Cultura e Assuntos Comunitários; Ana Lúcia de Medeiros, diretora do Campus de Palmas; e Álvaro Manzano, procurador do Ministério Público Federal. Além de debates o II Seminário também contará com apresentações culturais.


Confira também


Comentários

comments powered by Disqus