Thursday, 23 de January de 2020

ESPORTE


Carlesse

Marcelo e Carlesse cortaram R$ 109 mi da saúde por pastas “menos prioritárias”, dizem MPE e DPE

08 May 2018
Loise Maria Marcelo e Carlesse cortaram R$ 109 mi da saúde por pastas “menos prioritárias”, dizem MPE e DPE Arthur Marques e Maria Roseli querem suspender decretos e proibir governo de contingenciar recursos da saúde

A Saúde do Tocantins é uma das áreas que mais sofre judicialização no Tocantins. A justificativa do Palácio Araguaia para a deficiência no serviço ou falta de assistência, geralmente, é a ausência de verbas. Porém, a Defensoria Pública do Estado do Tocantins (DPE) e Ministério Público Estadual (MPE) identificaram que no ano passado o então governador Marcelo Miranda (MDB) cortou R$ 103.221.159,00 do orçamento da pasta, por meio de decretos, para suplementar outras secretarias, como a da Comunicação e a do Desenvolvimento Econômico.

Neste ano, a mesma prática foi utilizada pelo governador interino, Mauro Carlesse (PHS), e mais R$ 5.953.998,00 milhões foi contingenciado. Com objetivo de obrigar o Executivo a devolver esses recursos que totalizam R$ 109.175.157,00, os órgãos de controle ingressaram com uma Ação Civil Pública na 3ª Vara da Fazenda e Registros Públicos de Palmas no dia 3 deste mês.

De acordo com a Defensoria, a Lei de Responsabilidade Fiscal (art. 9, §2) veda a redução de verbas constitucionalmente previstas no orçamento, seja da Educação ou da Saúde, que são áreas essenciais. “Ontem foi divulgado uma dívida de R$ 138 milhões. Quer dizer, nós temos uma dívida de R$ 138 milhões e políticas que não são executadas por falta de dinheiro, mas a ideia foi cortar dessa área essencial, o SUS, e suplementar outras pastas de menos importância”, protestou o defensor público Arthur Luiz de Pádua Marques, em entrevista coletiva à imprensa na manhã desta terça-feira, 8.

Orçamento

Os decretos Nº 5.612, de 30 de março de 2017; Nº 5.644, de 30 de maio de 2017; Nº 5.683, de 31 de julho de 2017; e Nº 5.743, de 30 de novembro de 2017 contingenciaram, ou seja, reduziram, o valor de cerca de R$ 103 milhões da saúde pública do Tocantins no ano passado. Já o Decreto Nº 5.794, de 28 de março de 2018, subtraiu da área da saúde a soma de R$ 5,9 milhões.

Na ação, é citada como exemplo a suplementação de R$ 6 milhões realizada na Secretaria Estadual da Comunicação (Secom) em 2017. No mesmo ano, a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico teve aditivo no orçamento em mais de R$ 29 milhões e nenhum valor contingenciado. “Pra essas pastas já tinha planejamento, já tinha recursos lá. Eles fizeram foi colocar mais”, explicou Marques.

Historicamente, conforme pontuou o defensor público, o orçamento do Tocantins é executado “sem a observância dos princípios constitucionais”. “É uma cultura isso aqui, porque no município existem contratos de quase R$ 60 milhões com tendas, geradores e falta recurso para alguma política de saúde. Já no Estado tem esse caso: foi aditivado orçamento para Secom e para outras pastas, que não atendem diretamente a vida das pessoas, e do SUS foi retirado”, ressaltou.

Assistência inadequada

De acordo com a representante do MPE, existe um número elevado de óbitos evitáveis no Tocantins, justamente por falta da assistência adequada. “A população está ficando cada vez mais desassistida e isso gera a judicialização da Saúde”, disse a promotora de Justiça Maria Roseli de Almeida Pery.

“Somente para exemplificar essa situação caótica dos hospitais, na área da neurocirurgia nós temos mais de 100 pacientes aguardando. É inadmissível que a urgência e emergência que é responsabilidade do Estado não seja ofertada adequadamente”, contestou Maria Roseli.

Gastos com pessoal

Segundo o MPE, relatórios anuais de gestão da Secretaria da Saúde mostram outra deficiência da área: os gastos expressivos com recursos humanos. O Tocantins investe atualmente 18,02% da sua receita com saúde. Deste valor, mais de 83% é destinado para custear apenas as despesas com pessoal e mais de 15% é gasto com despesas correntes, sobrando menos de 0,6% para investimentos nas unidades.

“Existem distorções com relação a gestão de recursos humanos na pasta, que trazem prejuízos a população”, apontou. “Estamos acompanhando e cobrando para que o Estado possa fazer a correção dessa mão-de-obra”.

Pedidos

Na ação conjunta, DPE e MPE solicitaram a suspensão dos decretos que contingenciaram os recursos e a antecipação dos efeitos da tutela pretendida, para determinar ao Estado do Tocantins, na pessoa do governador e secretário da Fazenda, a devolução, no prazo de 30 dias, ao orçamento do SUS, o valor de R$ 5.953.998,00 milhões contingenciados no ano de 2018.

Também foi pleiteado que seja determinado às autoridades elencadas que apresentem em juízo, no prazo de 60 dias, um planejamento orçamentário e financeiro de devolução ao orçamento da Saúde Pública, o valor de R$103.221.159,00 milhões contingenciados em 2017.

Os órgãos solicitam ainda que o Executivo estadual seja proibido de publicar decretos de contingenciamento do orçamento destinado à saúde pública, sem justificar as necessidades de cada política pública e sem observar o art. 9, §2 da LRF.

Além disso, todo o material juntado deve ser encaminhado às promotorias de justiça com atuação na área do patrimônio público para que apurem as responsabilidades dos agentes públicos em razão da violação direta a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Em despacho, a juíza Silvana Maria Parfieniuk deu 72 horas para o Estado se manifestar no processo, antes de decidir sobre o pedido liminar. “Eles vão ter que explicar onde aplicaram esse dinheiro de fato”, pontuou o defensor público.

Outro lado

Em nota ao CT, a Secretaria de Comunicação do disse que o governo ainda não foi notificado da referida Ação Civil Pública e que vai aguardar manifestação da Justiça. O Executivo ressaltou, contudo, que desde que a atual gestão assumiu, “a equipe da Secretaria de Estado da Saúde trabalha diuturnamente para minimizar os problemas encontrados no setor”.

(De acordo com o portal de notícias Cléber Toledo – CT)

COMPARTILHE:


Confira também:


Serviço

Governo inicia nesta semana serviços de roçagem e sinalização viária na ponte FHC e em Taquaruçu

Serviços visam garantir a segurança viária e proporcionar melhores condições de trafegabilidade para usuários das vias estaduais

Ocorrência

Polícia Civil apreende aproximadamente 15 quilos de entorpecentes na BR-10, na saída para Porto Nacional

Durante a ação, as equipes da DENARC efetuaram em flagrante a prisão de do condutor do veículo


Avaliação

Hemocentro Coordenador de Palmas mantém aprovação acima de 93% dos pacientes e doadores

Foram entrevistados aproximadamente 32% dos doadores de sangue e 22% dos pacientes atendidos com doenças do sangue


Agenda

Mostra de Artes Cênicas abre seleção para grupos da Capital

O espetáculo receberá o cachê de 3 mil e o representante deverá emitir nota e se responsabilizar pelo repasse dos cachês da sua equipe e em toda parte técnica necessária para o espetáculo acontecer.


Kátia Abreu

Durante evento na capital, Kátia Abreu anuncia recursos para cirurgias bariátricas


Negócios

Sebrae e Prefeitura de Palmas formalizam parcerias para beneficiar pequenos negócios


Energisa

No Tocantins, mais de 10 mil clientes se cadastraram na Tarifa Social de energia em 2019


Segurança pública

CIOPAER apoia ação de captura de suspeitos


Em Palmas

Polícia Civil desvenda crime e prende homem por suspeita de homicídio ocorrido em conveniência


Infraestrutura

Trecho da TO-050 entre Porto e Palmas começa a receber serviços de manutenção



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira