Sunday, 17 de November de 2019

ESTADO


Seminaristas

Além da vocação, tem que haver muito estudo

13 Aug 2008

Em visita ao Brasil, mais especificamente a Palmas, padre Luciano Zilli, que atualmente reside em Israel, recebeu a equipe do jornal O GIRASSOL para uma conversa na qual foram discutidos temas como sacerdócio, celibato e as dificuldades dos cristãos em Israel.

Seguindo a tradição familiar enraizada na Igreja Católica, Luciano descobriu sua vocação para o sacerdócio entre os 12 e 13 anos de idade. A partir daí, passou a realizar trabalhos voluntários até que, aos 20 anos, recebeu um convite do italiano Frei Carlo para vir a Porto Nacional, onde ingressou no seminário.

O seminário é um período de oito anos, durante o qual os futuros padres se dedicam ao estudo e à descoberta da sua verdadeira vocação. “A Igreja acredita que a vocação é um dom de Deus”, afirma padre Luciano, justificando o longo período que os seminaristas percorrem até ser ordenados sacerdotes.

Durante os oito anos, os seminaristas cursam duas faculdades, uma de Filosofia, que, segundo o padre, leva o homem a pensar, despertando para a religião; e Teologia, que, segundo ele, é onde o seminarista aprende as doutrinas, o patrimônio cultural e teológico da Igreja. “Esse período possibilita o rapaz ter certeza de sua vocação, já que à medida que atinge certa idade, passa a ter respostas mais concretas”, explica o padre.

De acordo com padre Luciano, nem todos que ingressam no seminário concluem e tornam-se sacerdotes. Muitos percebem que não têm a vocação para o sacerdócio e acabam deixando o seminário por questões, principalmente, relacionadas ao celibato que, apesar de já estar sendo discutido - mas aparentemente uma realidade muito distante -, ainda é obrigatório.

De Porto Nacional, padre Luciano foi para Roma, estudar três anos de Teologia. Segundo ele, quase metade dos seminaristas que estudam em Roma é da América Latina. Dos 280 seminaristas que estudaram junto com ele, 70 eram brasileiros. O padre concluiu o seminário em 2005, quando foi ordenado sacerdote e, de lá, ingressou no mestrado em Ciências Bíblicas em Israel. Dentro do curso, são estudadas duas linhas de pesquisa, Arqueologia Bíblica e Lingüística, que trata do estudo dos textos bíblicos originais. “Estar lá, nos lugares onde aconteceram as passagens que são relatadas nas sagradas escrituras, perceber as condições climáticas e acompanhar de perto a cultura local é um grande diferencial e torna o estudo mais aprofundado”, acrescenta padre Luciano.

 

Cristianismo em Israel

De acordo com padre Luciano, menos de cinco por cento da população em Israel é cristã. E, ainda assim, o Catolicismo é ramificado entre o rito latino e grego. O padre explica que, dentro de um mesmo templo, os espaços para cada ramificação são delimitados e devem ser respeitados. Mas padre Luciano afirma que os conflitos entre cristãos são poucos. Já, com relação aos judeus e muçulmanos, os cristãos sofrem diversos tipos de preconceito e perseguição no país. Segundo ele, o simples fato de se usar um colar com uma cruz, que é o símbolo do Cristianismo, já é suficiente para que os cristãos sejam desprezados. Os judeus e muçulmanos não podem se sentir afrontados. É proibido aos cristãos pregar o evangelho ou usar a Bíblia fora do templo. “Procuramos manter um diálogo religioso pacificador”, explica o sacerdote.

COMPARTILHE:


Confira também:


Atenção

Energisa reforça orientações de segurança em caso de temporais

Em 50 dias, mais de 400 postes foram derrubados por eventos climáticos severos no Tocantins

Serviço

Governo, por meio do Sine, orienta trabalhadores para habilitar a Carteira de Trabalho Digital

Para acessar a Carteira de Trabalho Digital é necessário obter a senha de acesso no Acesso.gov.br. Para aqueles que não possuem a senha, poderão adquiri-la através do Aplicativo da CTPS Digital, ou clicando no link a seguir Acesso.gov.br




  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira