Tuesday, 31 de March de 2020

ESTADO


Lançamento

"Maternidade interrompida" aborda o drama da perda gestacional

17 Jul 2009

Às vezes o ciclo da vida inverte-se: morre-se antes de nascer. De repente, aquele ser tão desejado, cujas feições a mãe anseia por conhecer, simplesmente desaparece. A barriga, antes motivo de orgulho e expectativa, torna-se oca de seu mais precioso fruto. Assim ocorrem os abortos espontâneos. Depois de passar por essa situação duas vezes e de descobrir que a perda gestacional é relativamente comum em todo o mundo, a professora Maria Manuela Pontes, que vive em Portugal, resolveu quebrar o silêncio e dar voz às mulheres que enfrentaram o mesmo problema. No livro Maternidade interrompida – O drama da perda gestacional (216 p., R$ 45,90), lançamento da Editora Ágora, ela apresenta depoimentos que tratam da dor e do luto de mulheres que viveram essa situação.

O aborto espontâneo é um tema pouco divulgado. “Existe um enorme silêncio ao redor do assunto, com nuances de um tabu que deve ser quebrado. A perda gestacional destrói vidas, famílias. É preciso dignificá-la e conhecê-la para que, de forma correta e humana, possamos ajudar essas mulheres”, afirma Maria Manuela, que é também a fundadora do Projecto Artémis, em Portugal. A associação apóia as mulheres vítimas da perda gestacional.

O livro é o complemento desse trabalho que Maria Manuela vem realizando há cerca de oito anos. “Ele é o meu rumo, a promessa que fiz de não cruzar os braços e a prova de que é possível sobreviver. Com ele, dou um sentido a tudo o que vivi”, revela. Na obra, ela selecionou dezenas de depoimentos que ouviu e organizou durante seis meses – contribuição de mulheres que se encontram diariamente na associação para compartilhar o sentimento da perda irreparável.

É o caso da advogada Mafalda Sobral, um dos intensos depoimentos contemplados na obra. “Sofri indescritivelmente a dor da perda por nove vezes. Fazem parte da minha vida nove perdas, nove filhos que partiram. Todo o processo de sofrimento me condicionou como pessoa, mulher e profissional. É impossível não mudar, não se transmutarem os valores, as prioridades. Hoje, encaro o processo de perda como uma fase da vida que me ajudou a crescer como mulher”, relata a advogada, que ignorou a opinião de médicos, amigos e família, acreditou que conseguiria ser mãe e hoje tem dois filhos.

A obra reúne experiências singulares de mulheres, mães e guerreiras que compartilham suas histórias ao longo de quatro capítulos: “Filhos do silêncio”; “Tomar uma decisão, viver um conflito”; “Nascer para a eternidade”; e “Reflexos da perda”. São testemunhos intensos de uma dura realidade, que, silenciosa, clama por ser ouvida. Para aquelas que passaram pela perda, além de familiares e profissionais de saúde, a obra configura-se em grande apoio.

 

Organizadora

Maria Manuela Pontes nasceu em Chaves, Portugal, em 1971. Licenciada em Humanidades no ano de 1999, passou a lecionar Português e Latim em várias instituições públicas e privadas, profissão que exerce ainda hoje. Casou-se em 1997 e travou uma luta pela maternidade durante três anos. Após a experiência dramática da perda de dois filhos durante a gravidez, fundou a associação Projecto Artémis, com o intuito de apoiar todas as mulheres vítimas de perda gestacional. A Artémis é hoje uma das maiores organizações não governamentais na área, e oferece atendimento psicológico e aconselhamento às mães e a seus familiares. Para coroar sua luta, Manuela deu à luz Vitória, em 2002, e Mateus, em 2006.

 

Título: Maternidade interrompida – O drama da perda gestacional

Organizadora: Maria Manuela Pontes

Editora: Ágora

Preço: R$ 45,90

Páginas: 216

ISBN: 978-85-7183-060-8

Atendimento ao consumidor: 11-3865-9890

Site: www.editoraagora.com.br

COMPARTILHE:


Confira também:


Pandemia

Força Nacional vai atuar na prevenção e combate ao novo coronavírus

A medida vai vigorar por 60 dias, mas poderá ser prorrogada


  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira