Sunday, 17 de November de 2019

ESTADO


Agronegócio

Produtores de feijão do TO buscam o diferencial da indicação geográfica

03 Jun 2008

Depois de vinho, café, carne e cachaça, agora é o feijão que pode gerar mais uma Indicação Geográfica (IG) no Brasil. Produtores tocantinenses do Vale do Rio Javaés se reuniram recentemente com representantes do INPI, da Embrapa Arroz e Feijão e da Secretaria de Agricultura do estado, em Palmas, para iniciar o processo de obtenção dos elementos necessários para o pedido de indicação geográfica no INPI. A idéia é valorizar as sementes de feijão do Vale do Rio Javaés que seriam mais resistentes a pragas devido ao solo e à irrigação no local.

O INPI, responsável pela análise e concessão das indicações geográficas, e parceiro oficial no projeto, irá fornecer instrutores nos cursos para os produtores e técnicos locais, orientando-os sobre o processo de registro.

“Eles estão como o Vale dos Vinhedos em 1995. É o início de um processo longo, mas que traz ótimos resultados para quem consegue a indicação geográfica”, comentou Lucia Regina Fernandes, analista de indicação geográfica da Coordenação-Geral de Outros Registros, vinculada à Diretoria de Contratos de Tecnologia e Outros Registros do INPI.

O Vale dos Vinhedos, no Rio Grande do Sul, obteve a indicação geográfica para seus vinhos em 2002. Desde então, só obteve bons resultados. Na região, as terras se valorizaram entre 200% e 500% e, segundo dados da Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos (Aprovale), o número de visitantes na região cresceu 168% entre 2001 e 2007, passando de 45 mil para 120 mil. A qualidade do produto foi reconhecida até pela União Européia.

Além do vinho do Vale dos Vinhedos, estão protegidos com a Indicação de Procedência a Região do Cerrado Mineiro, para o café, o Pampa Gaúcho da Campanha Meridional, para a carne bovina, e Paraty (RJ), para a aguardente de cana tipo cachaça.

COMPARTILHE:


Confira também:


Economia

Com Selic em queda, poupança pode passar a render menos que a inflação

Outro fator é a redução de recursos para o financiamento habitacional. Atualmente, 65% dos recursos de poupança são destinados aos financiamentos habitacionais.


  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira