Sunday, 17 de November de 2019

ESTADO


Turismo receptivo

Segmento tem crescimento constante no Tocantins

27 Aug 2008

Um painel de diversidade, onde mais de mil e quinhentas espécies de pássaros coloridos - alguns raros - confraternizam com botos e jacarés em dezenas de praias, rios e cachoeiras. Este é o Estado do Tocantins, que vem a cada dia se destacando no cenário nacional como o “mais novo pólo turístico do Brasil”. Tão quanto defende o presidente da ADTUR – Agencia de Desenvolvimento Turístico do Tocantins, Igor Avelino, no lançamento do mais novo projeto turístico do Estado, o Convenctions e Visitors Bureau, “o Turismo é uma forma social e economicamente responsável para gerar renda no Estado”.

Para a especialista em Ecoturismo Ana Paula Araújo Souza, o Tocantins está caminhando “em passos largos para ser referência no quesito turismo receptivo”. Para ela, grandes empresas estão se inserindo no mercado, norteadas pelas tendências que atuam diretamente no meio ambiente. “Quem não se interessa em ver as dunas moldadas pelo vento no Jalapão, ou a beleza do pôr-do-sol do Rio Araguaia?”, pergunta. A especialista aponta ainda, diversos pólos interestaduais que devem receber investimentos em infra-estrutura “como a via de acesso ao Jalapão e ao distrito de Taquarussu, bem como a disposição de melhores condições de tráfego às cachoeiras”. Ana Paula destaca também que “caixas eletrônicos e telefones públicos são convergências que o turista necessita”.

O turismo de eventos é outro segmento de constante crescimento no Estado. Diversas atividades na capital e no interior – principalmente no que se refere a eventos religiosos – geram emprego e renda. De acordo com a ADTUR, no ano passado, cerca de 270 mil pessoas visitaram o Tocantins nas principais datas de eventos da capital e do interior. Cavalhadas em Taguatinga, o Movimento pela Vida em Palmas, a Festa do Bonfim em Natividade, a Festa do Divino em Monte do Carmo e a Festa do Divino também em Natividade, são destaques de grandes eventos que reúnem milhares de turistas e fieis, todos os anos.

A estratégica localização geográfica do Estado está trazendo para região diversos empresários interessados em seguir com a recepção de turistas. Uma empresa especializada em turismo receptivo, recém-firmada no Estado está gerando oportunidades para aqueles que querem conhecer o Tocantins de perto. A empresa Roteiros buscou se especializar no segmento para suprir a carência de agências de turismo na prestação de serviços de qualidade. “A Roteiros é uma empresa nova na Capital, formada da junção da experiência de duas agencias de turismo de Palmas. A empresa foi formada no intuito de suprir a necessidade de empresas especializadas em receptivo”, diz o empresário Marcelo Perim. Ele aponta que a grande demanda da empresa continua nos principais pólos do Estado: Jalapão e Ilha do Bananal. A empresa que abriu suas portas este ano, já está colhendo frutos. De acordo com o empresário, apenas no último pacote fechado pela empresa cerca de 150 pessoas passaram a conhecer o Tocantins.

Com um roteiro repleto de novidades, a empresa está a cada dia estudando novas possibilidades para proporcionar melhores condições para o turista. Num pacote para o Jalapão, por exemplo, o turista pode contar com transporte, hospedagem, alimentação, visita aos pontos turísticos como o fervedouro, as dunas, diversas cachoeiras e visita a comunidade do Mumbuca. O período pode durar de 3 a 5 dias. Já para o turista que optar em visitar o rio Araguaia poderá se deliciar num prazeroso passeio de barco, além de dar aquela pausa para a pesca esportiva.

Para Ana Paula, estudar opções de lazer e bem-estar, e oferecâ-las ao turista é uma oportunidade “para fazer com que ele seja um propagandista”, ou seja, que o turista repasse os prazeres vividos durante a viagem aos seus contatos ou núcleo de amigos. “O Tocantins tem tudo para da certo na recepção de turista. Basta saber interagir e saber as necessidades de cada local e de cada turista”, arremata.

COMPARTILHE:


Confira também:


Economia

Com Selic em queda, poupança pode passar a render menos que a inflação

Outro fator é a redução de recursos para o financiamento habitacional. Atualmente, 65% dos recursos de poupança são destinados aos financiamentos habitacionais.


  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira