Saturday, 28 de March de 2020

GERAL


Crítica 3

“Qualquer intelectual de bom senso prefere ficar calado”

03 Jun 2008

Esboçando certa “sociologia da boemia”, o autor ressalta a importância dessa na formação de gerações intelectuais, uma vez que um modo de vida boêmio favorece a emergência dos novos talentos. Segundo Malcolm Cowley [1], escritores não surgem isoladamente, a intervalos aleatórios, eles aparecem em grupos ou constelações circundados por anos comparativamente vazios. Scott Fitzgerald escreveu que uma verdadeira geração tem seus líderes e porta-vozes e traz para sua órbita aqueles nascidos logo antes e logo depois.

Cowley revisa o clássico argumento de Max Weber de que a ética puritana – repressão, ascetismo, culpa – lubrifica as máquinas do capitalismo. E ética da produção que pregava a indústria, a previdência, a poupança pertencia a uma era anterior à máquina. O capitalismo recente não precisava de trabalho e economia, mas de lazer e gastos, não de uma ética de produção, mas de uma ética de consumo. Nesse conflito entre ética de produção antiga e ética de consumo recente, Greenwich Village, o bairro boêmio novaiorquino, teve um papel crucial: sua devoção ao prazer e à auto-expressão se ajustava ao “etos do mercado”. Donde que a boemia provou ser sua vanguarda. “Viver o momento” passou a promover o consumismo, acabaram-se restrições de preço e utilidade. Até a “igualdade feminina” – uma realidade na boemia – passou a vender cigarros. Em 1929!

Quarenta anos depois, a sexualidade e a subversão dos anos 60 comercializaram, popularizaram, banalizaram e, por fim, destruíram a ética boêmia que, sob o nome de contracultura, fundiu-se na corrente da “cultura” principal: a do dinheiro. E os shopping centers anti-tabagistas cortaram qualquer possibilidade de vida boêmia, senão de vida cultural propriamente dita tal como foi definida lá atrás.

Voltando ao sumiço do “intelectual público”: aqui também eles sumiram completamente.

E a nossa perda é ainda maior, pois se, para Russel Jacoby, os Estados Unidos jamais tiveram um pensamento crítico-cultural brilhante, e ele estava se referindo aos pensadores europeus – Derrida, Sartre, Camus, Habermas, Lacan, Foucault, aos escritores latino-americanos – Garcia Márquez, Borges, Cortázar ­– no Brasil, cujo pensamento tem origem no ensaísmo livre de Gilberto Freyre e Euclides da Cunha, tivemos intelectuais públicos admiráveis entre os anos 50 e 70 – Celso Furtado, Antonio Callado, Nelson Rodrigues, Antonio Cândido, Ferreira Gullar, Glauber Rocha, Stanislaw Ponte Preta, toda a turma do Pasquim (não quero ser extensiva) até Paulo Francis, morto em 1997, o último dos velhos dragões do pensamento independente a escrever na imprensa.

Realmente admiráveis, concordemos ou não com suas idéias. E o que temos hoje? Diogo Mainard? O blog do Reinaldo Azevedo? Arnaldo Jabor? Paulo Coelho? Lya Luft? Gabriel Chalita?

Sociologismos à parte, à vista dessa fauna não admira que qualquer intelectual de bom-senso prefira ficar calado.


[1] Editor e agitador cultural, publicou The Paris Review a partir de 1953, revista de língua inglesa editada na França, com as famosas entrevistas de escritores consagrados mais tarde publicadas em livro com o título de Writers at work, traduzido no Brasil como Escritores em Ação, pela Paz e Terra, e a série de três volumes de Os Escritores, pela Companhia das Letras.


* A escritora paulistana Márcia Denser publicou, entre outros, Tango Fantasma (1977), O Animal dos Motéis (1981), Exercícios para o pecado (1984), Diana caçadora (1986), Toda Prosa (2002) e Caim (2006). Participou de várias antologias importantes no Brasil e no exterior. Organizou três delas - uma das quais, Contos eróticos femininos, editada na Alemanha. Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, é pesquisadora de literatura brasileira contemporânea, jornalista e publicitária.

COMPARTILHE:


Confira também:


Pandemia

Palmas não confirma novos casos nesta sexta-feira, 27

Dados são do Boletim Epidemiológico, publicado diariamente pelo Centro de Operações de Emergência em Saúde

Efeitos da Covid-19

Prefeitura adia prazo de impostos e taxas para minimizar efeitos da Covid-19 na economia local

O secretário de Finanças, Rogério Ramos, explicou que a prioridade neste momento é o de investir todos os esforços no enfrentamento à Covid-19 e salvar vidas, mas ao mesmo tempo encontrar alternativas viáveis e seguras para que a roda da economia local con


Pandemia

Encarcerados da CPP de Palmas iniciam o treinamento para confecção de máscaras artesanais para prevenção do coronavírus

As máscaras fabricadas pelas pessoas privadas de liberdade da CPP de Palmas serão distribuídas entre os servidores e população carcerária das unidades prisionais do Tocantins


Quarentena

Comércio reabre dia 30 em Paraíso com restrições sanitárias e de aglomeração

O decreto vigorará enquanto durar a situação de emergência, nos termos do decreto 536/2020, revogando-se as disposições em contrário.


Notícias Falsas

Governo do Tocantins alerta para propagação de notícias falsas durante a pandemia do novo Coronavírus


COVID-19

DPE-TO envia Recomendação ao Estado solicitando fiscalização do serviço de transporte intermunicipal


Kits de Alimentação

Carlesse inicia entrega de kits de alimentos a estudantes da rede estadual


Quarentena

Sefin publica portaria regulando atendimento remoto em diversas áreas


Salários

Prefeitura de Palmas antecipa salário de março dos servidores


Alerta

Consumidor que tiver água ou energia cortada, deve denunciar ao Procon Tocantins



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira