Monday, 14 de October de 2019

GERAL


A lógica do crescimento

16 Dec 2009

Por Carlos Alberto Schalch Jr.


 
A construção civil brasileira vem passando por transformações aceleradas, ocorridas principalmente desde a década de 1990 e acentuadas nesta primeira década do século 21. A tradicional improvisação que caracterizava o setor - comum na maioria das empresas de origem familiar ou fundada por poucos sócios, em geral engenheiros recém-formados ou com alguma experiência em construtoras de maior porte -, começou a dar lugar à gestão profissionalizada. A mudança ocorreu certamente não apenas pela vontade dos proprietários dessas empresas, mas impulsionada pelas exigências de um mercado que era atingido por um novo panorama econÃ?mico, no qual produtividade e qualidade em todas as etapas produtivas traduziam-se em competitividade.

Em outras palavras, chegou ao fim o tempo em que se podia dizer “por que mudar se eu sempre ganhei dinheiro trabalhando à minha maneira?”, questionamento repetido à exaustão por uma “velha guarda” da construção, acostumada a ganhos fáceis em épocas nas quais o país crescia anualmente a taxas que hoje caracterizam a economia chinesa, em torno de 10% ao ano, e também nas quais a inflação mascarava desperdícios. Isto ao menos nos principais centros urbanos do país e nas áreas que sempre exigiram qualidade e custos adequados na construção, como nos setores industriais de ponta, de petroquímica e, atualmente, também nas empresas de topo do agronegócio. Evidentemente, há uma parcela significativa de construtoras que continua a seguir o velho padrão, mesmo nos maiores centros. Mas, embora talvez ainda não tenham se dado conta, o seu prazo de validade está vencido.

A receita adotada pela construtora Lógica Engenharia dá as costas para as práticas obsoletas e privilegia conceitos gerais afinados com as práticas mais contemporâneas e que se revelaram, na prática, bastante corretas nesses 21 anos de existência da construtora. Em vez de mão de obra terceirizada, a aposta foi na valorização e qualificação de funcionários contratados. Não dizer amém ao cliente que procura impor materiais de segunda linha e não quer seguir as recomendações das normas para procedimentos de segurança como forma de reduzir custos, além de apresentar orçamentos rigorosos e bem-definidos, no lugar de planilhas malfeitas, que geram sobrepreço e trazem insatisfação na relação com o cliente, que deve ter a maior transparência possível nas informações sobre o andamento das obras, foram outros itens do receituário empregado. A adoção da gestão de processos descentralizada, gerando unidades com autonomia e poder de adaptação às melhores opções e práticas para cada obra, em seu contexto, aliada à conquista da certificação pela ISO 9001 e à obtenção do nível A no PBQP-H (Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade – Setor Habitação) e à gestão por resultados, estimulando os colaboradores, em vez de impor práticas transmitidas oralmente e controles deficientes, comuns em empresas familiares, traduziu-se em competitividade, produtividade e qualidade, virtudes valorizadas pelos clientes.

A somatória dessas vantagens permitiu à empresa ocupar o posto de construtora que mais cresceu em seu segmento em São Paulo, em 2008 (revista Exame – Pequenas e Médias Empresas, 2009), e obter taxas de crescimento superlativas entre 2005 e 2008: 58,8% ao ano (2005 a 2007) e 27,3% ao ano entre 2006 e 2008. Essa receita implica evidentemente em planejamento rigoroso, requer gestão profissionalizada e atualização contínua nas melhores práticas construtivas e a adoção de procedimentos de qualidade, valorização e qualificação permanente dos funcionários colaboradores e parceiros e respeito aos clientes. Exige, claro, trabalho árduo e contínuo. Mas os resultados compensam: para a empresa, que consegue crescer e ter margens de lucratividade que adicionam sustentabilidade à sua operação; aos funcionários, colaboradores e parceiros, que garantem a manutenção e o aumento dos postos de trabalho e vantagens profissionais, e à sociedade, que obtém melhores obras, mais duráveis e de qualidade, portanto sustentáveis, em todos os sentidos, ao custo adequado.

Carlos Alberto Schalch Jr. é engenheiro e sócio-diretor da Lógica Engenharia, empresa fundada em 1988, com sede em São Paulo

COMPARTILHE:


Confira também:


Campo

Carlesse lança plantio da safra 2019/2020 e destaca investimentos do agronegócio no Tocantins

Safra 2018/2019 deve alcançar 4,8 milhões de toneladas, valor 6% superior ao da safra anterior

Investimentos

Governador Mauro Carlesse recebe executivos da VLI e conhece novos projetos da empresa para o Estado

Na oportunidade, Governador convidou os executivos a participarem da audiência pública sobre a construção da Transbananal, em Gurupi, no próximo dia 18



Sul do TO

Governador e Primeira-dama prestigiam festa das crianças em Gurupi

Na ocasião, o governador Mauro Carlesse anunciou o lançamento do programa Pátria Amada Mirim, na próxima quinta-feira, em Palmas


Consumidor

Procon Tocantins oficia MPE sobre devolução do dinheiro dos ingressos da ExpoPalmas

A data anunciada para a ExpoPalmas foi de 18 a 22 de setembro. Mesmo com dois dias de evento, no dia 20 se setembro foi anunciado o cancelamento de todos os shows.


Contratempo

BRK não cumpre contrato e causa transtornos para população de Colinas

Para a renovação do contrato com a empresa de saneamento, a gestão do município fez algumas exigências, sendo elas: a universalização do fornecimento de água e esgoto; reparos em ruas e avenidas; e o investimento no valor de R$ 1 milhão na forma de obras


Educação

Projeto pede inclusão de mensagens no combate ao abuso sexual infantil e o consumo de drogas nos livros das escolas públicas de Palmas


Ação

DPE realiza mais uma edição do “Transforme uma vida: apadrinhe uma criança” no Lar Batista


Consumidor

Com 70% de acordos feitos, Procon Tocantins divulga balanço da Semana de Renegociação de Dívidas


SSP

Tocantins é beneficiado com projetos e recursos em reunião do Conselho Gestor do Fundo Nacional de Segurança Pública


Palmas

A Semana Nacional do Crédito abre caminhos para pequenos empresários alavancarem negócios


Política Florestal

Instaladas comissões especiais que vão analisar política florestal e regularização fundiária



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira