Saturday, 31 de October de 2020

GERAL


Nota da Aspectins

"As empresas de comunicação do Tocantins estão morrendo"

07 Apr 2009

Confira, abaixo, a nota da Aspectins (Associação das Pequenas Empresas de Comunicação do Tocantins) divulgada nesta terça-feira, dia do Jornalista 

Esta terça-feira, dia 7 de abril, Dia do Jornalista, deveria ser uma data festiva para a comunicação. O jornalista, através de uma empresa de comunicação, é o maior avalista da democracia, afinal, nos permite, diariamente, o exercício de uma garantia constitucional: a do direito à informação. E, sem informação, o cidadão não pode ter conhecimento da sociedade em que vive, e, sem esse conhecimento, não poderá participar plenamente da vida de sua comunidade. E, sem essa participação, não existe democracia. Contamos e registramos a história, alavancamos a cultura e garantimos a consolidação da democracia em nosso país e em nosso Estado.

Contudo, no Tocantins, estamos decretando luto nesta data que deveria ser festiva porque nossos veículos de comunicação estão morrendo. Morrendo diante da falta de respeito e de seriedade de quem, num Estado carente como o nosso, é o maior anunciante: o Poder Público, principalmente o estadual.

Nos últimos dois anos, o número de postos de trabalho nas empresas de comunicação do Estado foi reduzido drasticamente. Dezenas e dezenas de pais de família perderam seus empregos e outros estão perdendo neste momento porque o sistema de comunicação não suporta mais os sucessivos calotes, ou seja, serviços que são contratados mas não são honrados.

Vários veículos tradicionais da comunicação do Tocantins correm sério risco de fechar as portas, causando um irreparável prejuízo para a cultura e para a democracia do nosso Estado.

Dívidas e mais dívidas se acumulam nas empresas, numa situação paradoxal: o que o empresário tem para receber, geralmente, é maior do que sua dívida. Mas o empresário não recebe e, por isso, não pode pagar o que deve, e passa pelas dificuldades mais terríveis e, não raro, por privações básicas mesmo.

Assim, gostaríamos de pontuar as seguintes considerações:

1. Muitos criticam os veículos de comunicação do Tocantins sob o argumento de que "só querem verba pública". Não é verdade. Temos buscado continuamente a parceria da iniciativa privada, sem a qual, inclusive, hoje não estaríamos sequer funcionando. As empresas privadas têm sido nossas parceiras mais importantes, corretas e sérias. O problema é que as empresas do Estado têm sua limitação orçamentária para a publicidade porque também enfrentam uma crise terrível nos últimos anos: a estagnação econômica do Tocantins - apesar de os dirigentes do Estado ainda insistirem em dizer, e "provar em números", que o Estado "nunca esteve em tão franco desenvolvimento".

O Tocantins nos últimos, salvo raríssimas exceções, só recebe investimentos fictícios e virtuais. O "vai investir" é muito ouvido em peças de publicidade, mas "investiu", quase nunca se ouve quando se trata de setor privado. Enquanto isso, toda economia sofre com a estagnação e os investimentos publicitários caem drasticamente.

2. Entendemos a crise que enfrentam os municípios e nos solidarizamos com os prefeitos e suas comunidades. Até por essa situação, as empresas de comunicação têm evitado insistir em investimentos publicitários por parte das prefeituras. No entanto, temos visto que, nos municípios de médio e grande porte para os padrões tocantinenses, como Palmas, Araguaína, Gurupi, Porto Nacional, Paraíso, Colinas e Guaraí, têm faltado vontade política dos dirigentes.

Até porque os veículos de comunicação têm sido os principais aliados dos municípios nessa luta para conscientizar o governo federal da tragédia que avizinha as prefeituras, e, consequentemente, toda a comunidade. Fora isso, nossos veículos garantem publicidade aos atos de Executivo e Legislativo, insere o cidadão na discussão sobre os assuntos de sua cidade e permite que esse mesmo cidadão cobre de seu prefeito e vereador os compromissos assumidos com a população. Contudo, não podemos imprimir nossos jornais só com ideal, afinal, todo o processo de produção jornalística tem um custo altíssimo.

3. A Assembleia Legislativa do Tocantins há meses arrasta uma licitação que nunca termina. Para as empresas de comunicação, falta vontade política para se resolver essa situação. Alguns veículos têm fatura vencida há três ou quatro meses com o Legislativo Estadual, e só têm ouvido promessas.

4. O pior quadro é o do governo do Tocantins, o maior anunciante do Estado e hoje também o maior caloteiro do mercado publicitário. A Secretaria Estadual de Comunicação (Secom) adotou a prática de contratar serviços e não pagar. As dívidas com as empresas de comunicação se acumulam há anos e nunca são liquidadas.

O que está ocorrendo? Ninguém sabe, porque falta transparência às contas da Secom, uma vez que nunca temos informações sobre o que é feito dos recursos públicos empregados por esta pasta. Para onde vão? Para quais setores? Sim, porque as empresas de comunicação não têm recebido. Se as empresas de comunicação não tem recebido, quem tem conseguido esse feito? Quando recebemos é com meses de atraso.

Sabemos que os veículos de comunicação não são as únicas vítimas dessa prática nefasta do calote institucionalizado. Sabemos que gráficas e outros fornecedores também estão em situação de dificuldade.

Além de desrespeitosa, essa prática institucionalizada do calote atenta contra a democracia porque quer fragilizar os veículos de comunicação para exercer total domínio sobre eles e suas linhas editoriais. E isso, podem estar certos, não aceitaremos.

Assim, lamentamos vir a público num dia que deveria ser festivo para informar essa situação insustentável e deplorável a que chegaram os veículos de comunicação do Tocantins.

Para nós, empresários de comunicação, esse é o resultado não de "uma crise mundial", como virou moda argumentar, porque esse quadro antecede, e muito, à crise que atinge o mundo.

Na verdade, essa é uma crise de seriedade, de compromisso e de capacidade administrativa. É uma crise de falta de transparência com as contas públicas. É uma crise de falta de democracia. É uma crise de falta de respeito a uma categoria fundamental para a sociedade.

É uma crise de falta de respeito com o nosso Tocantins.

Dessa forma, concluímos esperando que dias melhores possam vir sobre o Tocantins, Estado que tanto amamos e pelo qual tanto temos lutado.

Atenciosamente,

Aspectins
Associação das Pequenas Empresas de Comunicação do Estado do Tocantins

COMPARTILHE:


Confira também:


Tocantins

Atividade produtiva segue estável, mas empresários da indústria mantém confiança, de acordo com pesquisa da Fieto

Sondagem Industrial do 3º trimestre e Índice de Confiança de outubro estão disponíveis no site www.fieto.com.br.

Covid-19

Tocantins registra 331 novos casos da Covid-19

Atualmente, o Tocantins contabiliza 234.022 pessoas notificadas com a Covid-19 e acumula 75.425 casos confirmados. Destes, 63.347 pacientes estão recuperados, 10.981 pacientes seguem em isolamento domiciliar ou hospitalar e 1.097 pacientes foram a óbito.



Eleições 2020

Otoniel participa de debate realizado por acadêmicos da UFT nesta sexta-feira

Segundo os organizadores, o objetivo é oportunizar aos postulantes ao Paço municipal um espaço democrático para o debate de ideias e propostas para áreas fundamentais, como moradia, saúde, educação, geração de empregos e renda entre outras.


Campo

Governo trabalha na implantação de Unidade de Pesquisa e Extensão Rural do Tocantins

Unidade ocupará área de 28 ha, com a instalação de mais de 20 projetos de pesquisas voltado aos produtores rurais para replicação em suas propriedades


Meio Ambiente

Vice-governador Wanderlei Barbosa reforça compromisso do Tocantins com a preservação de seus biomas

As ações foram destacadas no I Encontro Internacional de Governadores pelo Clima


Meio Ambiente

Naturatins autua BRK Ambiental em mais de 8 milhões de reais por poluição ambiental


Região Central

Em Lajeado, Polícia Civil prende em flagrante suspeitos de roubo e estupro


22º BI

22º Batalhão de Infantaria do Exército Brasileiro comemora 25 anos de criação


Aleto

CCJ da Assembleia Legislativa analisa projetos para pandemia


Aleto

Projeto de Lei do deputado Valdemar Júnior cria Semana Estadual de Conscientização, proteção e orientação sobre a Síndrome de Rett


GT

Grupo de Trabalho-Terminais debate projeto de Concessão dos Terminais Rodoviários do Estado



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira