Wednesday, 28 de October de 2020

GERAL


Libras

Cursos vislumbram um futuro melhor para deficientes auditivos

10 Sep 2008

A inclusão social é uma realidade em todo o país e o ensino de Libras tornou-se condição essencial na formação continuada do professor. Em Palmas, o bilingüismo nas academias já está fazendo parte do cotidiano de professores e alunos. Um recurso que, além de permitir que alunos com deficiência auditiva tenham acesso ao aprendizado, facilita socialização desses no meio familiar e profissional.

A coordenadora do curso de especialização em Libras da Fundação Universidade do Tocantins (Unitins), Rosângela Fernandes de Souza, explica que as aulas são regidas em Língua Portuguesa, e traduzidas em Libras por um intérprete. “O curso é dividido em duas partes: teoria e prática. Na teoria, estudamos História, Cultura, Psicologia. Na prática, estudamos os sinais em Libras”. Nesse caso, de acordo com a coordenadora, há, em sala de aula, um professor e intérprete (ouvinte) e um professor e instrutor (surdo) para assim facilitar o processo de comunicação.

Rosângela explica ainda que a demanda de profissionais, tanto de professores quanto de psicólogos, administradores e até advogados, fez com que a instituição abrisse novas vagas. “A procura pelo curso de Libras foi grande; em poucos dias, formou-se uma turma com 53 alunos. Normalmente uma turma de pós-graduação é formada com aproximadamente  45; nesse caso, abrimos exceção pela necessidade de qualificação desses profissionais”, diz.

Organizado pelo intérprete Anderson Carvalho da Silva, há também o Curso Básico de Libras da Universidade Federal do Tocantins (UFT), voltado para os profissionais das áreas de Educação, Saúde, Atendimento Social e Empresarial, e também para pessoas que desejam melhor a comunicação com familiares e amigos que apresentam surdez. O Centro de Capacitação de Profissionais da Educação e de Atendimento às Pessoas com Surdez (CAS), localizado no Centro de Ensino Médio de Palmas (CEM), está iniciando novas turmas neste segundo semestre. De acordo com o órgão, “o objetivo do curso é proporcionar uma maior integração do portador de necessidades com a sociedade”.

O Decreto que regulamenta a Lei nº 10.436/2002, que dispõe sobre o ensino e o uso da Língua Brasileira de Sinais, está caminhando para universalização dos institutos educacionais e até de empresas preocupadas com inclusão social, já que, para cumprir com a regulamentação do Ministério do Trabalho, essas têm que reservar de 2% a 5% das vagas para os portadores de necessidades especiais.

Uma proposta encaminhada pela Secretaria de Educação Especial ao ex-ministro da Educação, Tarso Genro, prevê que os cursos de formação de professores, do ensino médio e superior, e de Fonoaudiologia incluam o ensino da Língua Brasileira de Sinais (Libras) nos componentes curriculares dos cursos, em caráter optativo. Só que, até agora, das cinco maiores instituições de Ensino Superior de Palmas, apenas a Unitins e a UFT aderiram à proposta.

COMPARTILHE:


Confira também:

ONGs de fachada
Falta controle no TO

Educação

Governo do Tocantins publica Protocolo de Segurança em Saúde para retorno das aulas presenciais

Retorno gradativo deve iniciar pelas turmas de 3º ano do Ensino Médio e Ensino Superior

Pandemia

Tocantins registra 282 novos casos da Covid-19

Atualmente, o Tocantins contabiliza 230.724 pessoas notificadas com a Covid-19 e acumula 74.500 casos confirmados. Destes, 62.105 pacientes estão recuperados, 11.306 pacientes seguem em isolamento domiciliar ou hospitalar e 1.089 pacientes foram a óbito.




  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira