Monday, 21 de September de 2020

GERAL


Educação de Jovens e Adultos: um desafio para o século XXI

19 May 2009

Alijados dos processos de escolarização, os sujeitos da EJA compõem o universo cultural específico nem sempre contemplado nas propostas político-pedagógicas (FARIAS, 2003, p. 26).


A leitura crítica da autora acima nos remete a vários questionamentos no contexto de uma sociedade global, denominada de sociedade do conhecimento e dos grandes avanços científico-tecnológicos.

Nessa conjuntura, preliminarmente, apresenta-se o perfil heterogêneo do aluno da EJA, como forma de subsidiar a reflexão central desta matéria. Por outro lado, faz-se uma discussão sobre a importância da escolarização formal, na estrutura da formação daquele sujeito que aprende e que tem como paradigma sócio-político a constituição da cidadania coletiva .

Feito isso, nos apropriamos da exposição contida no Documento Base PROEJA (MEC-2006, p. 06), para identificar o perfil do aluno da EJA, “[...] negros, quilombolas, mulheres, indígenas, camponeses, ribeirinhos, pescadores, jovens, idosos, subempregados, desempregados, trabalhadores informais [...]”.

No que diz respeito a esses sujeitos, na relação trabalho-escola, o estudo de Dayrrel (2007, p. 10) destaca que a própria condição de ser jovem somada à pobreza impõe a este contingente social um grande desafio cotidiano, qual seja, “a garantia da própria sobrevivência, numa tensão constante entre a busca de gratificação imediata e um possível projeto de futuro”. Dentro da realidade brasileira isso significa vivenciar o trabalho desde cedo para poder garantir o mínimo necessário para o lazer, o consumo e outras atividades próprias da condição de juventude.

Essa realidade nos afronta com a seguinte pergunta: Como vamos incluir social e materialmente esses sujeitos, numa sociedade de acentuadas práticas tecnológicas?

Porém, antes da tentativa de discutir a temática central (EJA e tecnologias), inserimos de imediato a segunda questão anunciada, que se propõe a discutir a importância da escolarização formal. E assim, na perspectiva dialógica, abraçamos a interpretação do cientista político Ladislau Dowbor (1998, p. 259),


Frente às transformações tecnológicas que varrem o planeta, o mundo da educação permanece como que anestesiado, cortado de boa parte do processo de pesquisa e desenvolvimento, hoje essencialmente concentrado nas empresas transnacionais, e privado de uma visão mais ampla do desafio que tem de enfrentar. A realidade é que, por primeira vez, a educação se defronta com a possibilidade de influir de forma determinante sobre o nosso desenvolvimento.

Situadas as duas questões preliminares, entende-se que as novas tecnologias podem contribuir de forma significativa no processo de escolarização formal dos sujeitos da EJA. Essa convicção está relacionada diretamente ao processo ensino-aprendizagem, pois acreditamos que as ferramentas podem agregar positivamente, em duas frentes:


1 - Na perspectiva pedagógica, as tecnologias podem ser utilizadas como recursos didáticos, que a partir de metodologias diversificadas, podem auxiliar no trabalho docente facilitando os processos de compreensão da realidade, que nos dias atuais, encontram-se ambientados em sites e páginas de busca na internet, tipificados e codificados em linguagens de múltiplas finalidades.

Nesse novo desenho a realidade precisa ser apreendida e desvelada nas suas contradições, daí a importância da mediação do professor, que deve desempenhar o papel de articulador da aprendizagem, sistematizando as informações, transformando-as coletivamente em conhecimentos significativos, desde que contextualizados às potencialidades, e no limiar dos acúmulos (os saberes já existentes) de cada jovem e adulto, visando à inclusão social e à reinserção digna desses alunos, à vida produtiva (dimensão do trabalho).


2 - O caráter político-epistemológico das tecnologias está ligado à apropriação e ressignificação que os sujeitos da EJA podem fazer das informações veiculadas nos “ambientes virtuais”. Entretanto, é fundamental que a escola (professor), via projeto político-pedagógico, saiba a priori, como esse processo de apropriação vai ser integrado/problematizado metodologicamente à vida desses jovens e adultos. Nesse sentido, a função social da escola (professor) é de extrema importância, pois o sucesso ou fracasso da tentativa de emancipar o sujeito, política e cientificamente, deve estar atrelado ao projeto societário da escola (professor), à proposta de formação defendida e praticada, e ao conjunto de valores ético-cultural que estão impregnados na vivência desses sujeitos, ou seja, professores e alunos, pois a escola é resultado da ação de seres humanos.


*Haroldo de Vasconcelos Bentes é professor do Instituto Federal de Educação do Pará - IFPA, mestrando em Educação Profissional e Tecnológica -  UnB.

haroldobentes@bol.com.br

 


** Ricardo Afonso Ferreira de Vasconcelos é professor do Instituto Federal de Educação do Pará - IFPA, Mestre em Tecnologia do Trabalho - UTFPR.

afonsoricardo@gol.com.br


1A expressão contempla os direitos e deveres da cidadania e as condições dignas de vida produtiva (dimensão do trabalho).

COMPARTILHE:


Confira também:


Educação

Covid-19: maioria dos estados segue sem aulas presenciais

Veja a evolução da retomada em todos os estados brasileiros

Saúde

Tocantins registra 259 novos casos da Covid-19

Atualmente, o Tocantins contabiliza 193.657 pessoas notificadas com a Covid-19 e acumula 63.423 casos confirmados. Destes, 46.178 pacientes estão recuperados, 16.379 pacientes seguem em isolamento domiciliar ou hospitalar e 866 pacientes foram a óbito.



Economia

Vice-governador articula relação do Basa com Governo para prorrogação de decreto que garante crédito especial às empresas afetadas pela pandemia

No total, foram disponibilizados o montante de R$ 2 bilhões para empresas a taxas de juros de 2,5% ao ano, bem abaixo ao praticado no mercado, e com prazo de carência até oito meses.


Justiça

Magistrado Pedro Nelson de Miranda Coutinho é o mais novo desembargador do Judiciário tocantinense

Além do corregedor-geral da Justiça, votaram os desembargadores Marco Villas Boas, Moura Filho, Jacqueline Adorno, Ângela Prudente, Eurípedes Lamounier, Maysa Vendramini, Etelvina Maria Sampaio Felipe e, por último, o presidente Helvécio Maia Neto.


Obras

Governador Carlesse assina Ordem de Serviço para recuperação de estradas vicinais em três municípios

Serviços serão executados em Cristalândia, Lizarda e Paranã


Justiça

Ministério Público expede parecer favorável a Delegados após Corregedoria instaurar sindicâncias


Eleições 2020

Prefeita Cinthia Ribeiro fecha convenção com apoio de seis partidos


Emprego

Sine Tocantins orienta trabalhadores para uma boa entrevista de emprego. Nesta quarta, 16, são 403 vagas no Estado


Covid-19

Boletim coronavírus (Covid-19): taxa de internações hospitalares sofre redução na Capital


Economia

Procon Municipal de Palmas divulga pesquisa de preços dos itens da cesta básica


Agricultura

Governo do Tocantins e Ministério da Agricultura retomam convênio e fortalece assistência a agricultores familiares



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira