Tuesday, 07 de April de 2020

GERAL


Invasão de terras e justa indenização

01 Sep 2010

Carlos Roberto de Souza Amaro
souzaamaro@gmail.com


Tem-se assistido à invasão de terras, no Brasil, nos últimos anos, aqui ou acolá. A necessidade de uma reforma agrária que venha a superar os conflitos no campo para dar acesso à terra àqueles que dela pretendem tirar o seu sustento não está em questionamento neste artigo. Pretendemos discorrer, apenas e tão somente, sobre a ausência de legalidade nos decretos desapropriatórios que ignoram o devido processo legal para destituir o direito à propriedade privada.

Nenhum lugar é invadido pacificamente. O fato de não ter havido confusão não significa invasão pacífica. Da mesma forma que a invasão iniciada na calada da noite, de madrugada, na ausência do proprietário, não deve receber o rótulo de pacífica. Invasão é sempre um ato de agressão. No caso da invasão de terras constitui-se um ato de agressão à propriedade alheia. Uma anarquia, e nunca o exercício da democracia. Nada é democrático se não for obedecido o devido processo legal. Não existe legalidade se a lei não é respeitada. Lei nenhum autoriza a invasão de terras no país. Mesmo o argumento de que a terra é improdutiva não autoriza a invasão.

Também não legaliza a conduta a invasão como forma de pressão às autoridades. Antes da invasão existe o direito de propriedade que deve ser respeitado por todos: inclusive pelas autoridades. O proprietário de terras, produtivas ou não, somente pode ser destituído desse direito por intermédio do devido processo legal. A vistoria da terra é condição para a desapropriação. Em terra invadida não se faz vistoria. Não havendo vistoria, nenhuma autoridade possui poderes para desapropriar terras. A autoridade que cede a pressão de invasores para desapropriar terras comete ato ilegal que certamente será anulado porque viola o devido processo legal. Deve-se vistoriar a terra antes de qualquer ato desapropriatório.

A tomada à força de propriedade alheia além de ser um ilícito civil, pode ao mesmo tempo ser considerado um ilícito penal (Código Penal, art. 161, § 1º, II; Lei nº 4.947/66, art. 20).

O Supremo Tribunal Federal, nossa corte suprema, já decidiu em julgamento pelo plenário (na ADI 2.213-MC/DF da relatoria do Ministro Celso de Mello) a constitucionalidade do artigo 2º, §6º, da Lei 8.629/93 (na redação oferecida pela MP nº 2.183-56 de 24/08/2001). Enquanto perdurar a invasão de terras e até dois anos após a desocupação do imóvel invadido por movimentos sociais organizados, não são permitidos atos de vistoria, de avaliação e de desapropriação da propriedade rural.

O que se verifica, portanto, é que a invasão de terras rurais por grupos organizados acaba sendo um ato de anarquia que não trará benefício algum aos invasores. Aliás, muito pelo contrário, porque é uma conduta eivada de ilicitude com fortes traços de criminalidade. O resultado da invasão será a desocupação forçada; não haverá desapropriação e ainda os invasores poderão ser denunciados e, eventualmente, condenados criminalmente.

Contudo, não se afasta o dever do Estado e dos proprietários em garantir a adequada função social da terra, respeitando as normas ambientais e as relações de trabalho sem ofensa à dignidade humana.

O proprietário da terra invadida pode buscar reparação de danos emergentes e lucros cessantes. Os danos causados no imóvel como, por exemplo, a destruição de sedes, cercas e outras benfeitorias ensejam a reparação de danos emergentes. Já os lucros cessantes também podem ser cobrados. Estes são tudo que se poderia razoavelmente lucrar, mas foi frustrado por conta da invasão.

O último esclarecimento faz referência ao responsável pela reparação de danos. O Poder Público é o principal responsável pelas invasões de terras. Isso porque é dele o dever de garantir a posse da propriedade privada. Se não cumpre tal dever, também é responsável pelos danos. Enquanto os invasores se mantiverem na terra invadida a responsabilidade por danos emergentes e por lucros cessantes é do Poder Público que, por sua vez, como é óbvio, pode cobrar do grupo invasor.

Cumpre esclarecer que se defende plenamente o direito ao acesso a terra, desde que esse direito esteja consubstanciado na defesa do Estado Democrático de Direito, do devido processo legal, no respeito às leis e na proteção da propriedade privada. (Foi com base em alguns dispositivos da Constituição Federal, do Código Civil e de algumas leis esparsas que se desenvolveu este artigo).

COMPARTILHE:


Confira também:


Pandemia

Tocantins é destaque pela divulgação dos dados relacionados à Covid-19

Estado está entre os entes da Federação que mais deram publicidade às estatísticas relacionadas à doença

PAM

Governo institui o Comitê de Execução do Programa Pátria Amada Mirim

Dois representantes de cada instituição ligadas ao programa vão compor o Comitê que terá como objetivo executar e manter a avaliação contínua do PAM


Calamidade

Assembleia reconhece calamidade pública em Palmas por causa do coronavírus

Além de Palmas, os deputados debateram - via Sistema de Deliberação Remota - decretos de calamidade pública, em função da Covid 19, de outros 48 municípios.


Aleto

Acompanhando entendimento de Ayres, Assembleia quer plano de combate ao Coronavírus dos municípios

Ayres explicou que foi acordado com os demais parlamentares uma proposta para que ao invés de negar a Calamidade Pública para os demais municípios, fosse convertido em diligências.


Ageto

Governo inicia a semana com a manutenção de quase 700 km de rodovias estaduais


Agilidade

Principais processos de registro comercial podem ser feitos pela internet via Simplifica Tocantins


Internet

UOL bate recordes de audiência com a cobertura do Coronavírus


Emendas

Elenil defende união contra covid-19 e destina R$ 837 mil para ações


SES

Saúde recebe doação de duas toneladas de equipamentos de proteção individual


Vistoria

Governador vistoria obra do Hospital Geral de Gurupi e afirma que Estado busca manter ações prioritárias



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira