Monday, 09 de December de 2019

GERAL


O Fim do papel moeda

24 Nov 2010

Max Diniz Cruzeiro

 

O papel moeda está tornando-se obsoleto à medida que novas fontes de pagamento se consolidam no mercado. Ele é frágil, necessita de constantes demandas de reposição, deteriora-se com rapidez, é fonte de transmissão de patógenos e também de difícil localização, facilitando o tráfico, o contrabando e o descaminho em relação às fontes de recolhimento de impostos.

E por que não adaptar as tecnologias existentes para reduzir ainda mais a emissão de papel moeda? Que tal o disque 888 + “SEU CPF/CNPJ” do seu celular em seguida a quantia a ser transferida para outra Pessoa Física ou Jurídica + “CPF/CNPJ do receptor do pagamento”?

Para a utilização do serviço bastaria que o usuário cadastrasse a permissão diretamente num agente bancário, bem como o número do seu celular e você estaria apto a comprar e vender produtos e fazer transferências de forma fácil. A comprovação, a título de impostos, seria mais transparente, uma vez que as remessas e transferências de dinheiro estariam registradas automaticamente.

Os serviços públicos, como o transporte público, quando o usuário de transporte ligasse para o código do serviço, receberia um código numérico, que servirá para destravar a catraca e liberar o passageiro. Por sua vez o código poderia servir para 1 ou mais passagens dependendo do ticket comprado pelo usuário.

Ninguém iria mais precisar sair do banco com remessas em dinheiro ou ter o problema de ter seu acesso ao banco clonado num caixa eletrônico. O uso do cartão de crédito seria apenas para pagamentos futuros diminuindo o risco de roubo/furto do cartão/clonagem. O pagamento de contas, via celular, seria através de um código simples de no máximo 6 dígitos, uma vez que está atrelado ao CPF/CNPJ do usuário.

O Estado, por sua vez, ganharia com diminuição de custos com a baixa impressão de papel moeda. Pois aqui não se fala em restringir a liberdade de escolha para aqueles que querem ainda “ter o gosto” de poder manusear o papel dinheiro. Com a elevação da segurança da rede bancária e consequente diminuição dos custos do sistema bancário. Pois a substituição pelo novo modelo seria um processo gradativo.


Artigo escrito por Max Diniz Cruzeiro - Bacharel em Estatística, formado pela Universidade de Brasília - UnB

COMPARTILHE:


Confira também:


COP 25

Agenda do Estado na COP 25 busca investimentos para a estratégia Tocantins 20-40 e para o programa Pátria Amada Mirim

Reuniões com investidores europeus e participação ativa na Amazon-Madrid também estão no cronograma

Câmara

Damaso integra comissão especial que irá debater PEC da 2ª instância

A Constituição estabelece que ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória. Atualmente, o trânsito em julgado ocorre depois do julgamento de recursos aos tribunais superiores


CGE

Controladoria e parceiros realizam evento em alusão ao Dia Internacional Contra a Corrupção nesta segunda, 9

Programação contará com premiação de vencedora da rede estadual do Concurso de Desenho e Redação da CGU sobre o mesmo tema.


Carlesse

Carlesse participa da troca de comando no Corpo de Bombeiros e destaca importância de uma mulher assumir o 1º Batalhão

Tenente-coronel Andreya de Fátima Bueno é a primeira mulher a assumir o posto de comando de batalhão no Estado


Palmas

Arte leva esperança e tranquilidade aos pacientes do HGP


Infraestrutura

Governo realiza recuperação de pontos críticos da TO-239 entre Itacajá e Itapiratins


Região central

Polícia Civil conclui investigações sobre estupro de vulnerável em Miranorte


Solidariedade

Governo atende mais de 30 aldeias indígenas no Tocantins com o Criança Feliz


Capital por um dia

Governador anuncia implantação de Colégio Cívico-Militar em Miracema


"Salve Maria"

Modelo do aplicativo “Salve Maria” poderá ser implantando no TO



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira