Sunday, 25 de October de 2020

GERAL


O natural e o inesperado: ambos inaceitáveis

09 Feb 2011

Ainda cedo da noite do dia 21 de janeiro chega-me a notícia da morte de Ana Lopes de Sousa Rosário (Naninha do Lalô).  Esta aos 65 anos, matriarca de uma família radicada em Paraíso do Tocantins, da qual tive a honra de ter sido vizinha e amiga. Foi morte natural, resultado de alguns meses de sofrimento onde, esposo, filhos, netos, genros, noras e amigos se retorciam de dor e compaixão. Velada ainda estava, quando naquela mesma noite, tão sombria, acontecia, sem que aquela comunidade pudesse sonhar, uma tragédia que ao ser descoberta na manhã seguinte, chocou a cidade e ecoou em todo o estado do Tocantins. Brutalmente, a vida de Gustavo Arruda Ferreira ceifou-se aos 24 anos, no auge de sua juventude; impiedosamente foi arrancado do seio de sua família que dilacerada chorou e chora sua falta. Tornando-se mais trágico ainda quando a família se deparou com o corpo inerte do filho no bagageiro de um carro em uma certa estrada ao amanhecer do dia.

De um lado, a cidade cobria-se de luto por aquela senhora pioneira, mulher trabalhadora que vira a cidade crescer e dera toda sua contribuição para o crescimento da mesma como comerciante que fora e pecuarista por convicção.

Do outro lado um jovem, filho do lugar, que apesar da pouca idade contribuiu também para que a cidade crescesse em harmonia e com muita alegria. Teria certamente muitos sonhos, como namorar, casar-se, ser pai, construir uma vida onde pudesse também ver seus filhos crescerem, correndo, brincando, estudando, passando pela adolescência, juventude e tornando-se adultos, pois esta é a ordem natural da vida. Contudo, frustradas estas possibilidades, encerra precocemente seu ciclo de vida.

Naquele sábado, toda a cidade perplexa ficou. A movimentação foi grandiosa, e ambos foram velados em salões, situados a pouca distancia na praça da matriz, comovendo todos que por ali passavam.

O que será de uma sociedade que atingida brutalmente por insanos que sufocam com suas ações aqueles que nada tem a ver com tamanha insanidade, fazendo sofrer a dor e a desolação que somente a fé e o poder vindo do Pai poderão trazer consolo e força para não se desesperar? Esta, por sua vez responde com a voz do desejo de justiça no momento em que une-se em busca daquilo que todos almejam: a PAZ para dar  continuidade à vida numa sociedade mais justa,  mais sadia e mais prazerosa. É o que todos nós desejamos.

COMPARTILHE:


Confira também:


Norte do TO

Governo do Tocantins finaliza estrutura do Lacen de Araguaína e inicia treinamento da equipe

Unidade do Lacen/TO, em Araguaína, já recebeu equipamentos necessários para iniciar análises de exames da Covid-19 e outros agravos


  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira