Wednesday, 24 de April de 2019

GERAL


Norte do TO

Polícia Civil realiza Operação Caseus e investiga comércio irregular de queijos e frios em Araguaína

15 Dec 2018    12:44    alterado em 15/12 às 12:44
Polícia Civil realiza Operação Caseus e investiga comércio irregular de queijos e frios em Araguaína

A Polícia Civil, por meio da Delegacia Regional de Araguaína, prendeu na manhã desta quarta-feira, 12, em Araguaína, no Norte do Estado, três pessoas suspeitas de comercializar queijos, frios e embutidos de forma irregular, na região. A operação, denominada “Caseus”, que do latim quer dizer queijo, envolveu cerca de 30 policiais e contou, também, com fiscais da Agência de Defesa Agropecuária (Adapec) do Estado e a Vigilância Sanitária Municipal.
 
Foram presos na manhã os empresários Karline Rodrigues da Silva, 27, Cristiano Gonçalves Correa, 41, e o médico veterinário e fiscal sanitário da Prefeitura de Araguaína, Cláudio Adriano Rodrigues Mendonça, 42. Durante a operação, foram identificados 241 quilos de alimentos sem embalagem ou com empacotamento irregular. A Polícia suspeita que os três presos fazem parte de um grande esquema de venda e comercialização de queijos e outros alimentos vencidos, sendo parte dos referidos alimentos provenientes do Pará e outra parte adquirida de grandes supermercados da cidade de Araguaína. Para a Polícia Civil, o esquema envolvia a venda a Cristiano, realizada por grandes supermercados da cidade, de alimentos prestes a vencer ou até já  vencidos, quando o correto seria o descarte, por serem impróprios para o consumo.
 
De acordo com o delegado Luís Gonzaga da Silva Neto, a investigação durou cerca de quatro meses e resultou na prisão preventiva dos três, sendo que Cristiano Gonçalves já havia sido preso em 2015 por comércio irregular de alimentos. Ainda segundo a autoridade policial, foram feitas buscas em uma empresa alimentícia, em dois supermercados de comercialização em atacado na cidade e em uma gráfica onde seriam confeccionados os rótulos utilizados nos alimentos. "Investigamos que os alimentos, na verdade, eram oriundos do Estado do Pará. Alguns deles estavam com o prazo de validade vencido ou a vencer. Também verificamos que os produtos se encontravam com os sistemas de embalagem alteradas”, ressaltou.
 
Investigação
De acordo com as investigações, após adquirir os alimentos, Cristiano e Karline “esquentava-os” com rótulos irregulares e com data de validade adulterada, sendo, posteriormente, postos à venda nos mesmos grandes supermercados que, anteriormente, haviam vendido a referida mercadoria vencida para o casal. Noutro ponto, o fiscal do Serviço de Inspeção Municipal – SIM, Cláudio Adriano Rodrigues Mendonça seria conivente com tais práticas, sendo também decretada a sua prisão preventiva, juntamente com as prisões de Cristiano e Karline. 
 
Os três foram presos em flagrante pela prática dos crimes previstos no art. 272, §1º-A do Código Penal, além do art. 7º, II, da Lei 8.137/90, cuja pena total pode chegar a 13 anos de prisão.

COMPARTILHE:


Confira também:


Consórcio da Amazônia Legal

Em Consórcio da Amazônia Legal, governador Carlesse propõe atuação conjunta das bancadas em prol dos Estados

Após fala de Carlesse, foi aprovada reunião conjunta com as bancadas e Palmas como sede da próxima reunião do Consórcio


  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira