Tuesday, 17 de September de 2019

GERAL


Voragem dos privilegiados

04 Jul 2010


Por Bruno Peron Loureiro

As virtudes de um homem conhecem-se por suas ações, diriam alguns aforismos. Esquecem-se seus formuladores de que é necessário primeiramente elevar o pensamento e purificar as intenções, isto é, podem-se identificar vícios antes de qualquer aparência.

Os malfeitores acreditam que sustentam seus enganos sem maiores dificuldades, mas, cedo ou tarde, encontram em sua própria consciência a cobrança pelos atos inconsequentes e as ideias imprudentes, desafortunadamente comuns na conduta humana.

Estadistas renomados - apesar de canalhas e devedores - têm reiterado o papel de alguns países como piratas e verdugos dos que menos podem e menos têm, a exemplo das práticas hediondas de Baby Bush e o massacre aos povos islâmicos, ainda em curso.

Como erros do passado reincidem, o grupo Al Qaeda faz pedidos frequentes ao governo de EUA para que retirem suas tropas - e as dos exércitos aliados - e deixem de intrometer-se na vida política de países islâmicos. As lágrimas dos civis vitimados pelas guerras têm sido impotentes para sensibilizar os "Cruzados" do século XXI.

Equívocos que se repetem insistentemente tendem a virar costume em política internacional.

Entre 1962 e 71, EUA contaminou os solos de Vietnã com o lançamento de um herbicida chamado Agente Laranja, que arrasou bosques, colheitas e tem provocado, até hoje, nascimentos com deformações. A única ameaça foi o tal do antraz naquele país, que ninguém encontrou.

É tão impostora a política exterior EUAna que eles condenam e temem tudo o que já impuseram a outras nações, como ditaduras, armas químicas e programas nucleares. Aconteça qualquer tragédia no mundo todo desde que não se ultrapassem as fronteiras daquele país decrépito!

Enquanto bilhões de humanos - encarnados e desencarnados, almados e desalmados - que pairam sobre a superfície da Terra não se submetem à dieta putrefata do McDonald´s ou enchem o rabo da Intel ou da British Petroleum de dinheiro, continuarão massacrando tudo o que ameace a "liberdade" de consumo e até de expressão.

A vitória do ex-ministro de Defesa Juan Manuel Santos como presidente na Colômbia e a continuidade da política de "segurança democrática" de Álvaro Uribe, ou seja, o combate a guerrilheiros e ao crime organizado levam ao pé da letra o modelo de anulação da oposição.

Cobra-se a assessoria de estilistas na América Latina, uma vez que virou moda a acusação ao presidente venezuelano Hugo Chávez de coibir a livre expressão em seu país com o "fechamento" de meios de comunicação. Ele pode ser desafiador, mas não seria insano.

Devem ser frequentes, contudo, as erratas de rodapé no dia seguinte dos matutinos com a correção de que se trata de uma prerrogativa de Estado para a não-renovação de licenças de emissão, como houve com a RCTV, e não de medidas autoritárias.

É de se esperar de Chávez uma postura solidária com o povo iraniano e o repúdio às sanções covardes impostas por EUA ao território onde já prosperou a Pérsia. Instalaram-se novas fábricas para produção de leite na Venezuela em parceria com o Irã a despeito de pressões de uma "comunidade internacional" para o sacrifício de países rebeldes.

Conquanto distante de culpar os países pujantes dos erros cometidos por nós, latino-americanos, é necessário reconhecer que a forma como nossos países se inserem no mundo já nos provê de desvantagens colossais. O conformismo, a corrupção endêmica, o fetiche do crescimento econômico acima da distribuição de oportunidades ruem a esperança de poucos.

As atividades autênticas de resistência são estigmatizadas ou negligenciadas: os movimentos guerrilheiros, as reivindicações indígenas, as ações de organismos de interesse público, as propostas de democracia direta e participativa, as reformas constitucionais feitas por governos de esquerda porque ninguém faz barulho quando esta iniciativa é de conservadores.

A mediação das relações políticas por grupos comunicacionais que nada entendem disso ou que amparam algum candidato a cargo eletivo induz a um cenário depressivo de cidadania. Por isso se fala de "Partido da Imprensa Golpista" no Brasil e da Globovisión como emissora de televisão desestabilizadora na Venezuela.

Sejamos fiéis à consciência. O primeiro passo é escutá-la, portanto livres da voragem de quem se considera privilegiado neste mundo.

COMPARTILHE:


Confira também:


Operação Peterrock

PF investiga pessoas responsáveis por disseminação internacional de pornografia infantil

O nome da operação faz alusão ao codinome utilizado pelo responsável pela disseminação do material contendo cenas pornográficas de crianças e adolescentes no Estado do Tocantins.

Economia

Petrobras diz que não há previsão para reajuste de preços

Os ataques aéreos contra a refinaria de Abqaiq resultaram na elevação dos preços internacionais do petróleo.



Economia

Endividamento atinge mais de 68% dos palmenses em agosto

O ranking das principais dívidas continua sendo: cartão de crédito, seguido de financiamento de carro e carnês.


Vestibular

Inscrições abertas para o Vestibular da Unitins

Processo seletivo tem 480 vagas contemplando todos os cursos da Unitins em Palmas, Araguatins, Augustinópolis e Dianópolis. Inscrições são feitas exclusivamente pela internet


Ocorrência

Polícia Civil prende mulher suspeita de estelionato no sudeste do Estado

Mulher estava se passando por conselheira espiritual, mas na verdade aplicava golpes em pessoas do sudeste


Proibição

Adapec apreende carga de 10 toneladas de sementes de capim irregular na TO-050 entre Palmas e Porto Nacional


Tocantins

Adetuc e consultores reúnem-se para definir implantação do Observatório do Turismo do Tocantins


Educação

Com palestras, professor da Rede Municipal de Palmas motiva alunos a enfrentarem obstáculos


Preservação

Praias de Babaçulândia recebem o mutirão de limpeza do projeto Praia Limpa, Praia Viva


Pagamento do FGTS

Caixa estende horário de atendimento amanhã e abre no sábado


Preservação

APA Ilha do Bananal Cantão dedica programação ao Dia Nacional do Cerrado



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira