Wednesday, 16 de October de 2019

JUSTIÇA


Defensoria

DPE-TO defende criação de ambulatório trans no Tocantins

14 Jul 2019    14:30    alterado em 15/07 às 14:30
DPE-TO defende criação de ambulatório trans no Tocantins

Há quase dois anos transexuais e travestis do Tocantins esperam pela criação de um Ambulatório Trans, que atenderia uma demanda já antiga de assistência médica especializada para esse público. O projeto tem como objetivo dar a este grupo de pessoas um atendimento especial que os postos de saúde comuns não oferecem. Sem atendimento apropriado, homens e mulheres trans têm problemas durante a transição e põe a saúde em risco, com implantes e procedimentos clandestinos, o que pode acarretar graves problemas de saúde e até mesmo a morte.

A Defensoria Pública do Estado do Tocantins (DPE-TO), por meio de núcleos especializados, como o Núcleo Aplicado de Defesa das Minorias e Ações Coletivas de Palmas (Nuamac) de Palmas e o Núcleo Especializado de Defesa da Saúde (Nusa), defende a criação de um ambulatório trans no Estado. Prioritariamente, a implantação deve ser feita na Capital, com assistência da Prefeitura de Palmas e, posteriormente, nas demais cidades de referência como Araguaína, no Norte do Estado, e Gurupi, no Sul.

Uma reunião nesta sexta-feira, 12, na DPE-TO em Palmas, contou com a participação de representantes da Secretaria Estadual de Saúde (SES), Secretaria Estadual de Cidadania e Justiça, Secretaria Municipal de Saúde (Semus), Defensoria Pública e da Associação das Travestis e Transexuais do Tocantins (Atrato) para debater a possível implantação do ambulatório trans.

De acordo com a presidente da Atrato, Byanca Marchiori, a ideia é fazer com que transgêneros recebam o tratamento que deveriam ter em qualquer outro hospital. “Os travestis hoje estão abandonados na saúde pública, mas ela é primordial para nós. Fico muito feliz de ver essa reunião para que mais um passo possa ser dado rumo à implantação do ambulatório, para que possamos ser ainda mais respeitados como pessoa”, disse a presidente.

Integrante da Atrato e transexual, Rafaela Mahare faz o uso da terapia hormonal e relata as dificuldades na aquisição dos medicamentos, devido ao custo e também no direcionamento do tratamento. “Com o ambulatório especializado teríamos a possibilidade de realizar o tratamento hormonal com segurança, com acompanhamento médico, e dos demais profissionais da saúde. Recebendo de forma correta quanto à melhor forma de se realizar o tratamento hormonal e que medicamentos utilizar”, relata.

O defensor público Maciel Araújo Silva, coordenador do Nuamac Palmas, lembrou na reunião que diversos ofícios, recomendações e atividades extrajudiciais já foram encaminhados pela DPE-TO a poderes, como Estado e Prefeitura de Palmas, para a implantação do ambulatório trans. Toda essa espera, que já ultrapassa os dois anos, segundo ele, prejudica a comunidade trans e travesti.

De acordo com a gerente da Saúde Mental da Semus, Dhieine Camiski, Palmas é a terceira capital do País com maior número de casos de morte de casos de morte de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais e Travestis (LGBT) no País. “O risco em São Paulo (SP) para a população LGBT de uma pessoa transexual morrer é de 4,5 para 100 mil pessoas. Já em Palmas esse número sobe para 15 a cada 100 mil”, relata. Ela lembra, ainda, que muitas pessoas trans fazem procedimentos clandestinos com hormonoterapia, como silicone industrial, gerando um gasto extra para a saúde pública, muito além do que se fosse feito acompanhamentos via ambulatório trans.

Segundo a presidente da Atrato, mesmo colocando a vida em risco, muitas travestis e transexuais decidem pelo procedimento incorreto pela falta de acesso na saúde pública.

Ambulatório
O projeto do ambulatório trans prevê acolhimento, acesso à terapia hormonal e encaminhamento para realização de cirurgia de adequação do corpo à identidade de gênero a pessoas em processo transexualizador. O ambulatório deverá prestar assistência multidisciplinar com profissionais como médicos, psicólogos, assistentes sociais e enfermeiros e, para isso, a equipe deve receber capacitação para lidar com questões relacionadas à hormonoterapia, bloqueio de puberdade, entre outros.

O secretário municipal de Saúde, Daniel Borini Zenuner, lembrou que existe uma portaria da Prefeitura que cria um grupo de estudo para seguir com o processo de implantação das Políticas para o processo Transexualizador do SUS em Palmas, que também contará com a participação da Defensoria.

De acordo com o defensor público Arthur Luiz Pádua Marques, coordenador do Nusa, a criação do ambulatório é uma forma de democratizar a saúde também para a população trans, evitando a necessidade de judicialização na falta de assistência adequada. Ele falou, ainda, sobre a importância do Estado e Prefeituras atenderem outras demandas da população trans como o nome social.

A reunião contou também com a presença da gerente da Rede de Atenção Psicossocial da Secretaria Estadual de Saúde (SES), Maria de Fátima Vieira; e do membro da gerência da diversidade sexual da Secretaria Estadual de Cidadania e Justiça (Seciju), Yuri Mendes Azevedo.

COMPARTILHE:


Confira também:


Orçamento 2020

Governo do Estado protocola na Assembleia Legislativa Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2020

Projeto, que foi encaminhado para apreciação dos deputados estaduais traz metas e prioridades da Administração Pública Estadual para o exercício de 2020

Refis Palmas

Defensoria Pública inicia atendimentos jurídicos no Mutirão de Negociações Fiscais

A participação da Instituição na atividade se deve à parceria estabelecida com o Tribunal de Justiça do Tocantins e com a gestão municipal de Palmas



TJTO

TJ garante apoio à iniciativa de Kátia Abreu para aumentar adoção de crianças acima de três anos

Esta foi a terceira reunião do grupo desde a realização de um seminário no final de agosto, promovido pela parlamentar, para debater o tema.


Região Central

Prefeitura divulga balanço econômico do 1º Festival Gastronômico de Miracema

De acordo com levantamento realizado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Meio Ambiente, em 10 estabelecimentos, incluindo hotéis, pousadas e dormitórios, com cerca de 320 leitos, a média de ocupação foi de 86.25%


Vestibular Unitins

Inscrições para o Vestibular Unitins 2020/1 se encerram nesta quarta-feira, 16

As provas serão aplicadas nos quatro municípios onde a Unitins tem unidade.


Palmas

Câmara autoriza Executivo a contratar financiamento para obras de infraestrutura


Campo

Simpósio do Desenvolvimento da Aquicultura mostra potencial da cadeia da produção de peixe no Tocantins


Consumidor

Projetos desenvolvidos com crianças no Tocantins são apresentados a Escola Paulista de Defesa do Consumidor


Panorama

Confiança dos empresários do comércio tem leve aumento em outubro


Segurança

Polícia Civil realiza projeto Academia Itinerante em Gurupi na próxima semana


Economia

Governador recebe empresários interessados em implantar projeto de aproveitamento do lixo



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira