Saturday, 23 de February de 2019

OPINIÃO


Ponto de vista

A curatela como garantidor da dignidade humana

04 Oct 2018    13:15    alterado em 05/10 às 13:15
A curatela como garantidor da dignidade humana

Por Thaís Almeida de Aguiar, graduada em Direito pela Faculdade Católica do Tocantins.

A dignidade humana é um dos fundamentos constitucionais que expressam a preocupação do legislador em garantir uma vida proba aos cidadãos do país. Tem sua fundamentação no fato de que todos os seres humanos são semelhantes, devendo o respeito e o direito à igualdade serem norteadores das relações sociais. Assim, com o escopo de garantir a inclusão da pessoa com deficiência no pleno exercício de seus direitos e liberdades fundamentais foi promulgada em 2015 a Lei nº 13.146 que instituiu a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência.

A promulgação do Estatuto da Pessoa com Deficiência trouxe grandes mudanças na esfera da capacidade civil e no instituto da curatela, refletindo em alterações no Código Civil. Com as modificações sofridas, atualmente, são considerados como incapazes de exercer pessoalmente os atos da vida civil os menores de 16 (dezesseis) anos, relativamente incapazes a certos atos ou a maneira de exercer os maiores de dezesseis e menores de dezoito anos; os ébrios habituais e os viciados em tóxico; aqueles que, por causa transitória ou permanente, não puderem exprimir sua vontade e os pródigos.

O reconhecimento da igualdade entre o portador de deficiência e o não portador é medida de justiça que se impõe; nas palavras dos doutrinadores Pablo Stolze Gagliano e Rodolfo Pamplona Filho (2016, p.147): “(...) o Estatuto retira a pessoa com deficiência da categoria de incapaz. Trata-se de uma mudança paradigmática, senão ideológica”.

Outro ponto que merece destaque quanto das alterações trazidas pelo Estatuto da Pessoa com Deficiência está o instituto da curatela. A curatela é medida aplicada quando a pessoa com deficiência necessita de ajuda, sendo uma medida extraordinária, proporcional às necessidades e às circunstâncias de cada caso, e durará o menor tempo possível, conforme a redação do artigo 84, § 3º.  Este instituto, afeta apenas atos relacionados aos direitos de natureza patrimonial e negocial e não alcança o direito ao próprio corpo, à sexualidade, ao matrimônio, à privacidade, à educação, à saúde, ao trabalho e ao voto.

A sentença que decretar a curatela deve constar as razões e motivações de sua definição, preservados os interesses do curatelado, é o que diz o artigo 85, § 3º. É dever dos curadores prestar contas anualmente de sua administração ao juiz, apresentando o balanço do respectivo ano.

Esta previsão legal tem como intuito garantir a pessoa com deficiência uma maior autonomia em expressar seus desejos e vontade, concedendo-a a capacidade de praticar os atos da vida civil sozinha, e quando necessário contará com o auxilio de alguém de sua confiança para auxiliar nos atos negociais e patrimoniais.

Obviamente, o juiz deverá analisar com cautela o caso concreto, e decidir da melhor forma a assegurar os direitos da pessoa com deficiência, sem suprimir suas escolhas e preferências, sempre cuidando para que seja preservada a dignidade do homem.

Conclui-se que o ordenamento jurídico brasileiro tem avançado de maneira gradativa no que tange aos direitos e deveres das minorias, tendo consciência que todos os seres são semelhantes e detentores de garantias, sendo dever do Estado e da sociedade zelar para a concretização de uma vida digna, com acesso a justiça e inclusão nas relações sociais.

Referências
GAGLIANO, Pablo Stolze; FILHO, Rodolfo Pamplona. Novo curso de direito civil, volume 1: parte geral. – 18. ed. rev. amp. e atual. de acordo com o Estatuto da Pessoa com Deficiência e como o novo CPC. – São Paulo: Saraiva,2016.

COMPARTILHE:


Confira também:

Crônica
O TEMPO

Pressão

Parlamentares solicitam retomada de cirurgias e reforma de hospitais

Também foi solicitada pela deputada Cláudia Lelis (PV) a compra de insumos e materiais para unidades hospitalares do Estado.

Xingu

Viagem Gastronômica oferece menu degustação com pratos inspirados na culinária da Aldeia do Xingu

Para Ruth Almeida, a vivência com os indígenas ultrapassa o campo profissional, pois é também uma transformação da sua vida pessoal e uma experiência rica em conhecimentos.


Tocantins

Membros do MPE comemoram aprovação de Lei que permite Promotores concorrerem ao cargo de Procurador-Geral de Justiça

Pelo projeto de Lei, poderão compor a lista tríplice, a partir da próxima eleição, os Promotores de Justiça de 3ª entrância, em exercício na instituição, que tenham no mínimo 10 anos de carreira e 35 anos de idade.


Palmas

Tiago Andrino apresenta projeto que institui tradução simultânea em Libras na Câmara

Anteriormente, Andrino já havia solicitado o serviço, por meio de requerimento, o que permitiu que um profissional de Libras atuasse na Casa de Leis por aproximadamente um ano.


Palmas

Projeto aconchego acolhe e leva tranquilidade aos acompanhantes na UTI do HGP


Sesau

Casos de Sarampo em estados vizinhos causam preocupação na Saúde


Em audiência com Tiago Dimas, Ronaldo Dimas e Eduardo Gomes, ministro garante liberação de recursos


AL

Presidente da Assembleia recebe demandas do sindicato dos jornalistas do Tocantins


Presidente

Léo Barbosa é eleito presidente do Bloco Brasileiro da União de Parlamentares Sul-Americanos


Defesa do Comércio

Diogo Fernandes lidera Frente Parlamentar em defesa do comércio



  Blogs & Colunas


TiViNaLili

Lili Bezerra


Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira