Tuesday, 14 de July de 2020

OPINIÃO


Opinião

Bibliotecário e a era do conhecimento

12 Mar 2013

Ana Maria Valente Sanches
Bibliotecária da Procuradoria da República no Tocantins


12 de março é o Dia do Bibliotecário, profissional que trabalha na área do estudo, pesquisa, registro bibliográfico, organização e transferência informacional de documentos convencionais e não convencionais. No Brasil, esse marco foi em homenagem ao engenheiro, bibliotecário, escritor e poeta Manuel Bastos Tigre, nascido em 12 de março de 1882.

Contudo, a situação atual dos bibliotecários nas escolas ainda é uma situação de calamidade pública. Muitas nem sequer possuem bibliotecas. Não raro, é algum professor que se encarrega de organizar o acervo. Em outras, os livros se atulham sob escadas, corredores ou salas inadequadas. O impacto é extremamente negativo na formação dos alunos, principalmente na idade em que a leitura precisa ser valorizada para que seu hábito se cristalize.

No intuito de reverter esta situação, a Lei nº 12.244 estipulou que até 2020 todas as instituições públicas e privadas de todos os sistemas de ensino do país tenham bibliotecas, com um acervo de livros de, no mínimo, um título para cada aluno matriculado. A fiscalização é incumbência do Ministério Público Federal no âmbito das instituições de ensino superior e das instituições federais de ensino (escolas técnicas federais), e do Ministério Público Estadual no tocante às escolas do ensino médio e fundamental.

As entidades de Classe, como o Conselho Federal de Biblioteconomia (CFB) e os Conselhos Regionais nos Estados(CRBs) devem procurar estas instituições para que sejam parceiras também na fiscalização destas instituições para que o atendimento à lei de universalização das bibliotecas torne-se uma realidade.

Num país como o Brasil, onde as disparidades sociais transformam o livro em privilégio, o Bibliotecário tem a importância de um agente cultural e função pedagógica inquestionável. O artigo 3º do Código de Ética Profissional determina que o Bibliotecário deve “preservar o cunho liberal e humanista de sua profissão, fundamentado na liberdade da investigação científica e na dignidade da pessoa humana”. Essa obrigação, que deve ser cumprida como missão, contribui para uma sociedade mais justa, apesar de todas as limitações que impuseram, ao longo de anos, a desvalorização profissional, tais como: baixos salários, atividades insalubres e estressantes e falta de investimentos em treinamento e de reconhecimento, pelo mercado, de suas competências.

Hoje talvez falte ao bibliotecário a consciência de que a biblioteca pode atuar como instrumento de mudança social, pois a defesa da liberdade intelectual, a garantia do pluralismo das coleções e a defesa do livre acesso à informação são atividades políticas exercidas diretamente ou indiretamente pelos profissionais da informação.

No momento em que governo e sociedade no Brasil se dão conta de nossos vergonhosos níveis de educação e leitura e se mobilizam para superá-los por meio de programas de incentivo, o bibliotecário deve ser proativo no processo de desenvolvimento das necessidades sociais da sociedade aliando-se à essas políticas públicas, que, aliados à tecnologia da informação poderão ajudar o pesquisador, o profissional e o cidadão a pinçar, entre uma infinidade de informações, aquelas que realmente lhe interessam e que são confiáveis. A possibilidade de acesso mais democrático à informação, à literatura e à cultura em geral permitirá que se pratique a plena cidadania.

Segundo Targino (2006, p. 71): “Não há exercício da cidadania sem informação. Isto porque, até para cumprir seus deveres e reivindicar seus direitos, sejam eles civis, políticos ou sociais o cidadão precisa conhecer e reconhecê-los, e isto é informação”. Nesta perspectiva podemos compreender o conceito de informação como sendo uma contribuição social para a conscientização do homem sobre seus direitos e seus deveres.

Como Bibliotecária do Ministério Público Federal no Tocantins, com quase 15 anos na profissão, venho conclamar todos os bibliotecários, independente da instituição à qual estejam vinculados, a abraçar o Manifesto do IFLA de 2005 sobre “transparência, bom governo e ausência de corrupção”, no sentido de lembrar que a biblioteca é uma instituição necessária ao exercício da democracia e que deve ajudar na defesa dos direitos civis, na promoção da cidadania e no combate à corrupção, metas essas impossíveis fora do âmbito político tanto para as bibliotecas quanto para os seus profissionais.

COMPARTILHE:


Confira também:


Pandemia

Covid-19: Brasil chega a 72,8 mil óbitos e 1,88 milhão de casos

Até o momento, 1.154.837 de pessoas se recuperaram da doença

Pesquisa

Fiocruz coordena estudo pioneiro na Profilaxia Pré-Exposição ao HIV

Estudo comparou a eficácia e a segurança em 4.570 voluntários HIV negativos da PrEP contendo CAB-LA com a PrEP com Truvada



DPE

Defensoria Pública requer medidas de orientação e prevenção à covid-19 a indígenas de Formoso do Araguaia

Após indígenas Javaé serem impedidos de ultrapassar barreira sanitária da prefeitura de Formoso de Araguaia, DPE-TO apresenta Recomendação contra quaisquer procedimentos de enfrentamento ao covid-19 baseados em restrição de circulação


Jardim Vitória I

Prefeitura de Palmas divulga agenda de vistorias para os futuros moradores do Jardim Vitória I

A previsão é que as chaves das unidades habitacionais sejam entregues para os moradores até o fim deste mês


Palmas

Em sessão extraordinária, Câmara aprova nova estrutura organizacional visando atender decisão judicial

Visando cumprir a determinação judicial, como também promover o enquadramento na nova estrutura aprovada em plenário, a Câmara Municipal enviou para publicação no Diário Oficial do Município, os Atos de Exoneração nº. 209, 210 e 212.


Regulação

ATR reativa Unidades de Fiscalização nos terminais rodoviários do Estado


Preservação

Tocantins usa tecnologia para reforçar ações de preservação e educação ambiental


Fiscalização

Polícia Civil intensifica fiscalização de distanciamento social em praias da cidade de Santa Fé do Araguaia


Ocorrência

Polícia Civil do Tocantins apreende produtos que tinha sido furtados de uma igreja no Aureny III no mês de março


Sanidade

Adapec faz alerta sobre proibição do uso e comércio do herbicida paraquat a partir de 22 de setembro


Pesquisa

Tocantins soma 59 pesquisas científicas autorizadas em Unidades de Conservação estaduais



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira