Monday, 17 de June de 2019

OPINIÃO


Luto

Crônica: Só pra dar um toque

17 Feb 2010


Era um sujeito franzino, trêmulo, mas tinha uma grande cabeça, o Antonio. O povo da praça, a voz e a cara do povo vestido de verde, que todos nós vestimos que é o terno da nossa esperança. Um homem de grande poder astístico e analítico que conheci na TV e depois aqui, nesta Palmas que nos traz grandes almas. O Antonio, o que eu conheci bem de perto há cinco anos e que em 2009 ficou mais próximo, era um misto de alegria, seriedade e um senso, grande senso de humor, liberdade e amor ao próximo. No início deste ano, encontrei com ele no Shopping e ficamos algum tempo conversando. Ele comendo uma pizza pequena que gostava de comer eventualmente em um cantinho aprazível do lugar. Em menos de 15 minutos, falou comigo e outras 20 pessoas que o viam e o cumprimentavam.

O Antonio foi um sujeito aparentemente calmo. Sua calma o trouxe para o Tocantins, para Palmas. Ele trocou a ponte aérea Rio-São Paulo pela de Palmas – Brasília. Ele estava fora da TV, gostava do Carlos Alberto, o Nóbrega, mas não se sentia bem com o senhor Abravanel que queria um humor chulo. Ele, sensível e de bom senso, preferiu se resguardar. Tinha e sempre teve coisas melhores pra brincar, provocar e criticar. Na internet ontem, no site do Estadão, estava lá um vídeo dele com o Chico Anísio, outro que foi colocado para escanteio no humor da TV que trocou o cérebro pela língua descontrolada das palavras fáceis e perigosas. Ah, o vídeo continha uma sátira muito bem elaborada pelo seu Antonio e além das falas, uma música com o nome: “É só pra dar um toque”. O Antonio, esse cara misterioso que preferia fazer arte falando sério brincando com as palavras me disse que tinha planos para este ano e iria voltar para a TV aqui no Tocantins.

Ao saber que além de jornalista, eu também tocava gaita, me convidou para fazer um quadro em um futuro programa, onde ele seria um pescador, contando histórias e suas sempre inteligentes anedotas e eu seria o que eu sou, um gaitista, que ficaria tocando fazendo um fundo musical e teria alguma fala que era pra não dizer que só sabia soprar. Pois o seu Antonio foi convidado por Deus a sair da nossa cena no último dia de carnaval, no princípio da última noite, sem fazer muito estardalhaço, que é coisa de gente de bom senso e ainda, em um esquete bem preparado: dentro de um barco, com a esposa e seus dois netos, que eram parte do atual amor que ele dedicava. O mesmo amor que dedicou ao criar os filhos. Era mesmo um grande multiartista esse Antonio Arnaud Rodrigues. Sua alma agora vai criar outros personagens para a diversão e deleite das almas próximas, coisa que ele sempre soube fazer com maestria. À família, meus cumprimentos e um toque: A dor é para os que perdem. Deus sempre soube o que faz. O pai, o amigo, o irmão, o marido, o amigo, tudo fica muito bem guardado. Afinal, a canção que se canta de emoção, com choro de tristeza ou alegria, é uma imagem viva.  Mas na arte é que a gente engana a ausência com a lembrança, e o seu Antonio só deixou boas lembranças.

Roberto de Oliveira – Jornalista e músico

COMPARTILHE:


Confira também:


Agro

Cerrado do Tocantins produz uvas mais doces que outras regiões do Sul do país

No clima do cerrado é possível realizar até duas safras ao ano de parreira

Saúde

Hospital e Maternidade Dona Regina celebra 20 anos

Unidade é a única referência em alta complexidade para atender partos em toda a macrorregião de saúde centro sul do Tocantins



Temporada

8 dicas do Corpo de Bombeiros para curtir a temporada de praias com segurança

Orientações servem para reduzir os riscos de acidentes durante a alta temporada


Campo

Recebimento itinerante de embalagens vazias de agrotóxicos chega a mais quatro municípios do Tocantins

As centrais de recebimento em parceria com a Adapec estão com um cronograma de ação que, além desses quatro municípios, abrangerão mais 10 em diferentes regiões do Estado.


Tocantins

Pais fazem campanha de doação de sangue para ajudar outras famílias após morte do filho

Além da campanha de doação de sangue, os pais vão arrecadar alimentos e roupas durante 66 dias, tempo em que Felipe ficou vivo após nascer prematuro.


Six Sigma

Manifesto Híbrido de Metodologias de Gestão é definido no Brasil


Violência

Homem é preso pela Polícia Civil após tentar matar o ex-cunhado em Taguatinga


Brasil

Grupo Boticário e Unilever se unem por diversidade e equidade de gênero


Turismo

Palmas conta com uma variedade de Palmas urbanas


Economia

Receita paga hoje as restituições do 1º lote do Imposto de Renda


416 Vagas

Unitins lança edital de transferência externa com 416 vagas



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira