Tuesday, 19 de June de 2018

Tuesday, 19 de June de 2018

OPINIÃO


Ética

Ética: a necessidade empresarial do século XXI

09 Oct 2017

Proteger os ativos tangíveis de uma empresa é muito mais fácil do que proteger seus ativos intangíveis, como sua credibilidade e reputação. Aquilo que depende da conduta humana é muito mais complexo. Por isso, a necessidade de desenvolver a ética dentro das corporações está cada dia mais latente.

A ética pressupõe que todos terão boas condutas, sobretudo quando não estiverem sendo vigiados e monitorados. Já a lei pune e previne ações através de uma obrigação legal - o dever. Ambas fazem parte das ferramentas de compliance.

Dados os escândalos de corrupção envolvendo as maiores empresas do país, as reflexões em torno dessa temática estão aumentando. Nesse sentido, a Ética e o Direito são duas faces de uma mesma forma de blindagem das empresas.

Na década de 70, o economista Milton Friedman disse que "o negócio dos negócios são os negócios", demonstrando uma visão focada no lucro acima de qualquer coisa, sem preocupação com a maneira pela qual estes negócios são gerados. Felizmente, a sociedade evoluiu muito desde então, passando a valorizar a transparência e as boas práticas.

A operação Lava-Jato ilustra que os processos em curso já alteraram o cálculo de qualquer agente econômico que tenha em mente a violação da confiança pública em busca de ganho privado. Está evidente que os lucros a qualquer custo não valem mais a pena.

Bons exemplos não faltam. Cabe lembrar o FCPA - Foreing Corrupt Practices Act (EUA, 1977) que decorreu de escândalos de corrupção como o Watergate, o qual levou a queda do então presidente Richard Nixon, assim como o Bribery Act (Reino Unido, 2010), que forçou a modernização da legislação anticorrupção. O Brasil assumiu compromissos com a ONU, OEA e OCDE, e em agosto de 2013, promulgou a Lei nº. 12.846/2013, mais conhecida como "Lei Brasileira Anticorrupção".

Essa Lei integrou o ordenamento jurídico ao lado de outras importantes legislações brasileiras de combate à corrupção, como a Lei de Improbidade Administrativa (Lei nº 8.429/1992), a Lei de Defesa da Concorrência (Lei nº 12.529/2011), a Lei da Ficha Limpa (Lei Complementar nº 135/2010), entre outras de natureza penal.

À medida que trouxe responsabilidade objetiva para as empresas (independentemente de culpa) por atos de corrupção, a Lei Anticorrupção trouxe a necessidade delas estruturarem seus programas de conformidade. Esse novo marco normativo brasileiro criou uma verdadeira revolução na governança corporativa. A sociedade não tolera mais práticas que não sejam consideradas íntegras na busca pelo lucro.

Quando a corrupção é sistêmica, como no caso do Brasil, grande parcela de gastos públicos e recursos humanos tendem a ser alocados para maximizar oportunidades de captura de rendas em lugar da criação de riqueza. Ao invés de inovação e busca de maior produtividade, agentes privados buscam vencer concorrentes via busca de privilégios especiais. Com menos oportunidades para propina, as empresas terão de focar na eficiência e na entrega real de valor para o consumidor.

O compliance é o que dá suporte a essa sustentabilidade corporativa à medida que busca mitigar riscos, proteger os interesses dos públicos envolvidos e, ao lado da ética, preservar o maior ativo de uma empresa, que é a conduta de seus colaboradores. Isso permite sustentabilidade em longo prazo.

Se para a lei a integridade e transparência se torna um dever, para a ética ela é um convite à responsabilidade. Ao considerarmos a sustentabilidade engajada pela lei e pela ética, surge um novo modelo de sociedade, que passa a exigir dos empresários uma conduta que vise o respeito aos valores sociais.

A necessidade legal de se implementar programas de compliance demostra que a ética galgou o patamar de importância para que se deixe os pensamentos do século XX de lado, e o lucro deixe de ser o propósito único de uma empresa. O comportamento do mercado agora demanda que valores e boas condutas sejam respeitados e praticados - e que possam agir em conjunto com a busca pelo lucro. O consumidor, nesse cenário, se mantem como meio, com um papel fundamental de fiscal.

A lei se constrói em cima daquilo que é necessário. Quando ela é compreendida pela lógica, ela é aplicada como ética, e ambas blindam os valores e ativos da empresa, mantendo tudo funcionando como realmente deveria, em um cenário onde o recompensado é o que é certo, e não o que é imediatista e egoísta.

*Samuel Sabino é fundador da consultoria Éticas Consultoria, filósofo, mestre em bioética e professor.
Rodrigo de Pinho Bertoccelli é advogado e fundador/presidente do IBDEE (Instituto Brasileiro de Direito e Ética Empresarial).

Sobre a Éticas Consultoria

A Éticas Consultoria é uma empresa de Consultoria Comportamental em Ética e Desenvolvimento em Recursos Humanos. Ela tem como objetivo desenvolver competências e habilidades nas melhores práticas e condutas em ambiente empresarial. Sua consultoria oferece orientação profissional com foco em mostrar ao corporativo como lidar com situações de conflitos, especialmente com o "O que você faria?". Suas oficinas mostram como conflitos éticos no corporativo devem ser conduzidos sem que comprometam os valores e identidade da empresa, tudo através do Inner Compliance. A empresa oferece um workshop gratuito dentro das empresas sobre o tema. Para solicitar uma apresentação basta contatar a empresa através do telefone 11 98642-5791, e verificar a disponibilidade.

Sobre o Instituto Brasileiro de Direito e Ética Empresarial

O IBDEE é uma entidade sem fins lucrativos com o objetivo de refletir o Direito como meio de contribuir para a integridade dos negócios e com a adequada relação dos empresários com o poder público, no sentido de um maior comprometimento ético dos agentes empresariais e políticos, ao mesmo tempo em que se incentiva o desenvolvimento econômico sustentável.

COMPARTILHE:

O que você achou da notícia?

10

PARABÉNS!
PARABÉNS!

9

BOM
BOM

10

AMEI!
AMEI!

8

KKKK
KKKK

9

ENGRAÇADO
ENGRAÇADO

7

Ñ GOSTEI
Ñ GOSTEI

7

CREDO!
CREDO!

Comentários

comments powered by Disqus


Confira também:


Copa 2018

Japão bate a Colômbia por 2 a 1 com gols de Kagawa e Okada

Colômbia e Japão jogaram nesta terça-feira (19), em Saransk. Logo aos 3 minutos de jogo o zagueiro colombiano Carlos Sanchez tocou com o braço uma bola que iria em direção ao gol e o árbitro, além de marcar o pênalti, expulsou Sanchez e a Colômbia passou

Copa 2018

Seleção brasileira começa a se preparar para enfrentar a Costa Rica

O treino da Seleção Brasileira foi aberto à imprensa. Após os trabalhos, os jogadores foram liberados e devem se reapresentar no hotel nesta terça pela manhã.



Copa 2018

"Musa do Panamá" promete pintar o corpo com as cores do país caso a seleção seja campeã da Copa do Mundo

O concurso 'Musa da Copa - O Original' foi elaborado pelo produtor e fotógrafo Felipe Camargo


Eleições 2018

Vice-prefeito de Pindorama defende eleição de Carlesse; “momento é de eleger o melhor para o Tocantins”

O vice-prefeito lembrou ainda das ações desenvolvidas pelo candidato a vice-governador, Wanderlei Barbosa, que segundo ele conhece a realidade de cada município tocantinense


Adapec

Prazo para plantio de soja nas várzeas tropicais é prorrogado

Entre as razões apontadas pela Adapec na portaria, estão a importância socioeconômica da cultura da soja para o Estado


Premiação

Professora da rede municipal leva R$ 10 mil do Programa Nota Quente Palmense


Educação

Ceulp/Ulbra está com inscrições abertas para o Vestibular Extra


Região Central

1ª Pedalada Cultural Cooperativista leva mais de 200 ciclistas em tour histórico por Pedro Afonso


Copa 2018

Gol contra a Alemanha causa “terremoto artificial” na Cidade do México


Copa 2018

Musa de Portugal acredita no título e enaltece o maior do mundo


Copa 2018

Uruguia: José Giménez acende a pólvora celeste



  Blogs & Colunas


TiViNaLili

Lili Bezerra


Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira