Thursday, 21 de March de 2019

OPINIÃO


Promessas

Governar no tempo das redes sociais

03 Dec 2018    16:32

Findas as eleições e já formada boa parte dos novos governos - na União e nos estados – a grande questão é de como por em prática as propostas que seus titulares fizeram ao eleitorado, com as quais ganharam os votos. Bolsonaro promete austeridade administrativa e mais ação nas áreas da Justiça, Segurança e Economia. Governadores, especialmente João Dória (São Paulo) e Wilson Witzel (Rio de Janeiro), preocupam-se com a segurança pública, além de boa gestão. De uma coisa todos devem estar certos: não foi a questão ideológica, mas a expectativa de mudanças que os levou à vitória eleitoral. Agora é a hora de atender ao desejo do eleitor e, como dizia Ulysses Guimarães, ouvir e interpretar “a voz rouca das ruas”. Com o acesso às redes sociais, o povo que votou nas mudanças está apto e motivado a fiscalizar a ação dos eleitos e, preparado para ir às ruas protestar, se o prometido não for cumprido.

                A corrupção, em todas suas formas, tem de ser combatida sem trégua e os corruptos entregues à Justiça para purgar seus erros. A máquina púbica deve aperfeiçoar seus mecanismos de controle para se tornar imune aos achaques. BNDES, Petrobras, Eletrobras, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e todas as estatais, precisam ter respeitadas e cumpridas suas finalidades estatutárias e expurgadas as práticas não republicanas. Na medida do possível, ser privatizadas e o Estado ocupar-se exclusivamente do licenciamento, regulação e fiscalização das atividades. Ao aparelho de Estado cabe atuar em favor do próprio Estado e do cidadão, jamais na direção de interesses ideológicos ou de grupos de pressão. A Segurança Pública, que tanto preocupa, tem de ser cuidada como política de Estado e englobar todo o trâmite, que começa pelo combate ao crime em suas diferentes fases e formas, concluindo-se na boa aplicação e execução das penas sem fraquezas nem capitulação.

                O Estado Brasileiro é impessoal, por definição. Não pode ter amigos ou preferidos. Sua ação é voltada indistintamente ao cidadão, encarado como coletividade. Os recursos públicos não podem, jamais, ser usados no favorecimento de pessoas, classes e grupos políticos, profissionais ou sociais.  Os serviços – Educação, Saúde, Trabalho, Moradia e Segurança - têm de funcionar. A política de governo deve mirar a atração de investimentos que desenvolvam a economia e o mercado, beneficiando igualmente a todos. Os tributos arrecadados precisam ser aplicados exclusivamente nas atividades de governo, sendo estas desoneradas do empreguismo oligárquico, político e ideológico que hoje promove o desequilíbrio entre receita e despesa.

                Os novos presidente da República e governadores estaduais têm uma grande tarefa pela frente. Começa pelo rompimento com os vícios que mergulharam o país na maior crise da história, mais duradoura que a de 1929, ano em que o mundo inteiro quebrou a partir da Bolsa de Nova York. Recomenda-se aos Poderes Executivo, Legislativo (e até Judiciário) toda atenção e cautela no exercício de suas tarefas. Da mesma forma que as redes sociais foram usadas na eleição, também serão instrumentos na fiscalização e minuciosa cobrança de procedimentos dos eleitos e empoderados. É o Brasil novo, rompido com o nefasto loteamento do poder e o escandaloso assalto aos bens públicos...

 

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) 

COMPARTILHE:


Confira também:

Crônica
O TEMPO

Redução

Aneel diz que pagamento de empréstimos reduzirá tarifa de energia

A quitação antecipada vai gerar economia de R$ 8,4 bi para consumidor

São Paulo

XI Congresso Internacional Six Sigma Brasil acontecerá em momento decisivo de recuperação do país

Evento apresentará metodologias de gestão internacionalmente aceitas, capazes de contribuir com o avanço das empresas brasileiras


Transplantes de Córneas

Estado realizou 128 transplantes de córnea por intermédio e captação do Banco de Olhos

Oftalmologista, responsável técnica do BOTO, Doutora Núbia Maia aconselha o diálogo familiar sobre a doação de órgão para sanar a dúvida da família.


Crime

Corte estético de cauda e orelha de animais é crime ambiental

Além disso, os cães de cauda comprida possuem essa estrutura anatômica como contrapeso em corridas. “O corte acaba interferindo no equilíbrio natural do animal”, afirma.


Lançamento

Campanha da Fraternidade 2019 é lançada na Câmara Municipal


Balanço

ICMS Ecológico encerra prazo com adesão de 136 municípios


Energisa ouve clientes em audiência pública sobre projetos de eficiência energética


Palmas

Estudantes da UFT vencem 1º Prêmio do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Tocantins


18 de março

Dia da Autonomia homenageia luta de antepassados pela emancipação do norte de Goiás


Norte

Saúde negocia com profissionais para iniciar serviço de radioterapia em Araguaína



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira