Monday, 09 de December de 2019

OPINIÃO


Opinião

Homem, destino e universo

20 Dec 2012

José João Neves Barbosa Vicente
 
É correto afirmar, por exemplo, que a relação homem / universo é antiga, mas isso não significa, necessariamente, que os homens viviam ou vivem livres e felizes com tal relação.

A vida do homem primitivo, como provam suas ideias e pensamento, não era livre e feliz como geralmente se acredita. Os povos mais antigos acreditavam no “animismo”, isto é, para eles, cada objeto no mundo era semelhante ao próprio homem, porém mais poderoso, e nem sempre amigo dos homens. Todas as coisas no universo eram consideradas pelos homens primitivos como sendo seres vivos ou moradas de um espírito; cada ser ou espírito era, para eles, muito poderoso, zeloso de sua força, ofendia-se facilmente e era terrível em sua cólera. Assim, os homens primitivos viviam, na verdade, constantemente receosos de que, inadvertidamente, pudessem ofender e encolerizar um desses seres ou espíritos, e sofrerem o mais tétrico dos castigos.

Percebe-se, portanto, que o homem primitivo não era livre. Cada ato e cada pensamento eram dirigidos e determinados pelos seres e espíritos do universo. É verdade, no entanto, que, mais tarde, a espécie humana ultrapassou a crença no “animismo”, mas não conseguiu acreditar na liberdade. As forças que governavam todos os atos humanos deixaram de serem objetos vivos da natureza, ou espíritos que ocupavam os objetos naturais e o próprio homem, passaram a ser julgadas como sendo “as Parcas”, isto é, seres poderosos e influentes que determinavam a sorte de cada indivíduo. A ideia de espíritos como a de “Parcas” provam que entre os primeiros homens, o destino de cada um estava determinado por forças que se achavam além de seu próprio controle .

Para os primeiros filósofos, também, o destino do homem está determinado pelas forças do universo. Para os pitagóricos, a natureza do universo é formada de maneira a determinar o destino do homem. Os segredos de sua sorte encontram-se encerados nos números; para descobrir o que acontecerá com ele, o homem precisa compreender a linguagem dos algarismos. Para Heráclito, toda mudança está de acordo com uma lei fixa e imutável, lei que é o princípio básico do mundo e que todos estão sujeitos. Portanto, a sorte do homem está determinada, não pelo que faça, mas pelos fatos de sua criação. Os sofistas abriram uma brecha nessa tradição.

Acreditando na ideia de que o homem é a “medida de todas as coisas” como pregava Protágoras, ensinaram que o homem não podia permanecer inteiramente preso a um processo. Para os sofistas, o homem pode moldar a sua existência de maneira a satisfazer seus desejos; o homem não está inteiramente escravizado pelos espíritos ou forças ocultas.  Portanto, graças aos sofistas, os filósofos repensaram o problema da relação entre o homem e o universo, e das forças responsáveis pela sua existência e atividades. O homem deixou de aceitar a “força inevitável do mundo” sem desafio, sem luta, sem defender sua própria integridade.

O conhecimento é a suprema realização do homem. É pelo conhecimento que o homem é capaz de ter certa influência sobre o seu destino na terra e na vida futura, ele possui sua própria capacidade de escolha, sua própria força. O homem pode ordenar sua vida de modo a vivê-la com espírito de justiça e sensatez. Ele é um ser livre para construir uma vida que valha a pena viver. O homem, portanto, não é delimitado pelo mundo, ele pode fazer sua escolha e determinar o próprio destino. Somos livres para fazermos o que é bom ou o que é mau, não há força no mundo que nos obrigue a agir num ou noutro sentido. O supremo fim do homem é a realização do que existe de mais elevado e melhor nele como ser humano: sua Razão. Ele pode escolher entre evitá-la ou realizá-la em sua totalidade. É livre para lutar para vir a ser tudo o que está nele para ser, ou para tornar-se menos do que é. Cabe a ele a escolha final. Não é bom um mundo no qual o destino domina completamente; um mundo assim, os homens que nele habitam não podem ser julgados como responsáveis pelos seus atos.
 
Filósofo, professor da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Editor da GRIOT – Revista de Filosofia

COMPARTILHE:


Confira também:


COP 25

Agenda do Estado na COP 25 busca investimentos para a estratégia Tocantins 20-40 e para o programa Pátria Amada Mirim

Reuniões com investidores europeus e participação ativa na Amazon-Madrid também estão no cronograma

Câmara

Damaso integra comissão especial que irá debater PEC da 2ª instância

A Constituição estabelece que ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória. Atualmente, o trânsito em julgado ocorre depois do julgamento de recursos aos tribunais superiores


CGE

Controladoria e parceiros realizam evento em alusão ao Dia Internacional Contra a Corrupção nesta segunda, 9

Programação contará com premiação de vencedora da rede estadual do Concurso de Desenho e Redação da CGU sobre o mesmo tema.


Carlesse

Carlesse participa da troca de comando no Corpo de Bombeiros e destaca importância de uma mulher assumir o 1º Batalhão

Tenente-coronel Andreya de Fátima Bueno é a primeira mulher a assumir o posto de comando de batalhão no Estado


Palmas

Arte leva esperança e tranquilidade aos pacientes do HGP


Infraestrutura

Governo realiza recuperação de pontos críticos da TO-239 entre Itacajá e Itapiratins


Região central

Polícia Civil conclui investigações sobre estupro de vulnerável em Miranorte


Solidariedade

Governo atende mais de 30 aldeias indígenas no Tocantins com o Criança Feliz


Capital por um dia

Governador anuncia implantação de Colégio Cívico-Militar em Miracema


"Salve Maria"

Modelo do aplicativo “Salve Maria” poderá ser implantando no TO



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira