Tuesday, 22 de October de 2019

OPINIÃO


Olimpíadas na Record: uma crítica

13 Aug 2012

HELDER CALDEIRA*


Finalmente a vida voltará ao normal na Rede Record em todo Brasil. Confesso que duas semanas de jogos enchem o saco de qualquer um, não é verdade?! O fato é que, nesse período dos Jogos Olímpicos de Londres 2012, o trabalho eficiente de milhares de funcionários das emissoras, afiliadas Record do país inteiro, ficou comprometido pela transmissão das Olimpíadas.
 
Mas devo dizer: valeu a pena! Sem descer aos degraus das “rasgadelas de seda”, do corporativismo barato ou ao “puxassaquismo” pedestre (não preciso disso e quem me conhece sabe!), a Rede Record presenteou os telespectadores brasileiros com uma transmissão de primeira categoria. Se considerarmos que essa foi a primeira, a crítica fica ainda melhor e mais balizada.
 
Finalmente tivemos apresentadores e comentaristas dispostos a cumprir apenas sua missão: apresentar e comentar, dentro de conceitos elementares de pertinência temática (exceto pelo deputado federal Romário, que assumiu definitivamente o “palanquismo” em suas veias!). E não aquilo que tínhamos outrora, com figuras grandiloquentes, celebridades egocentristas, que mais pareciam estar diante de competições de “Conhecimentos Gerais”, disputando entre si uma espécie de “Quem Sabe Mais?”, bem “silviossantescos”, ainda que globais.
 
Foi emblemática a primeira transmissão ao vivo, com a monumental jornalista Ana Paula Padrão e sua gafe “Jornal da Globo”, que ao fim mais soou como uma alfinetada bem dada, um “golpe de contramarketing”. Já no primeiro dia, a cobertura da Rede Record era trending topic nas redes sociais e estampava a capa dos principais jornais e portais do país. Enfim, o que parecia estar errado, acabou dando certo em termos de publicidade e divulgação.
 
Da mesma forma, foi nobre o encerramento, com apresentadores que não interrompiam, com informações grotescas desnecessárias, os shows musicais e as passagens temáticas. Espetáculos de abertura e encerramento de Jogos Olímpicos são confeccionados com uma série de mensagens que, certamente, visam apontar para o subjetivo dos espectadores. Os apresentadores da Record apenas ouviram e, como a maioria dos telespectadores da emissora, curtiram o passeio sensível e bem bolado pelos “sons” e “cores” da Grã-Bretanha. Acertadíssimo. Na mosca!
 
Por óbvio, muitas coisas deixaram a desejar. Mas isso faz parte! De alguma forma, havia um “clima frio” no ar e – muito provavelmente! – isso tenha a ver com o espírito britânico de realizar eventos e festas. Nada efusivo. Nada acalorado. A sisudez broxante dos ingleses parece ter contagiado as transmissões e alguns “silêncios”, em se tratando de TV, soam mais como erros que como mera “observação do caminhar”. Isso foi um problema e precisa ser solucionado. Fato.
 
Nesse sentido, o “ar frio do ambiente” deixou os Jogos menos “passionais”. Mas as redes sociais acabaram cumprindo seu papel e as páginas da Rede Record no twitter e no facebook e o Portal R7 desempenharam a importante – e, nesse caso, fundamental – missão de “jogar pimenta” no “molho inglês”. Foram extraordinários na alimentação do ambiente virtual e isso fez toda diferença.
 
No meio do caminho, veio a notícia que a 2.855ª exibição dos episódios do “Chaves”, no SBT, estavam dando mais audiência. É claro que esse comentário partiu de uma colunista de O Globo, o jornal da “concorrência”, editado para derrubar (ou apenas desdenhar!). Agora, analisem comigo: será que é culpa da Rede Record o fato do telespectador brasileiro preferir garantir audiência maciça à enésima reapresentação de um episódio humorístico mexicano, ao invés de torcer pelos representantes da nação? Quando nada, aqueles atletas estavam numa competição esportiva e, em sua ampla maioria, patrocinados por dinheiro público das estatais. Valia a torcida, não acham?! Fica a questão para análise... e, quem sabe, até para os divãs. Valha-nos Freud!
 
Ao fim, o que se pode dizer é que a Rede Record foi muito bem nesse primeiro “momento olímpico”. Escalou um excelente time de jornalistas, técnicos e comentaristas, cobriu “todo o campo” e não exagerou em nenhum quesito (confesso: esse era meu medo!). Foi muito bem! Fez bonito! Cumpriu a missão jornalística e de entretenimento às quais se propôs. E isso é um ganho incalculável. Agora, que venham a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016!

 

Escritor, Jornalista a Apresentador de TV - www.ipolitica.com.br – helder@heldercaldeira.com.br
*Autor do best-seller “A 1ª PRESIDENTA” (Editora Faces, 2011, 240 páginas) e Jornalista e Comentarista Político da REDE RECORD, onde apresenta o “iPOLÍTICA” e os dois principais telejornais diários da emissora no Estado de Mato Grosso.

COMPARTILHE:


Confira também:


Economia

Governador destaca mineração como fator de desenvolvimento econômico e geração de empregos

Declaração do Chefe do Executivo ocorreu durante leilão da jazida de minério de Palmeirópolis, nesta segunda-feira, 21, no Rio de Janeiro. Expectativa é que dois mil empregos sejam gerados com a instalação no empreendimento

Economia

Comércio puxa recuperação na oferta de vagas de emprego no estado

Ainda sobre o Caged, setembro mostra que Araguaína foi a cidade com maior variação negativa (-139 vagas) e Porto Nacional com variação positiva (167 vagas). A capital Palmas registrou uma variação de – 42 vagas.



Cooperação Técnica

Governo assina termo de Cooperação Técnica com instituições públicas e privadas para execução de ações de pesquisa e extensão agropecuária

Termo estabelece condições para o bom andamento dos trabalhos propostos na área do Centro Agrotecnológico de Palmas


Outubro Rosa

Resolve Palmas promove palestra sobre prevenção ao câncer de mama

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer de mama é o tipo da doença mais comum entre as mulheres no Brasil e depois do câncer de pele não melanoma, correspondendo a cerca de 25% dos casos novos a cada ano. No Brasil, esse percentual é de 29%


Legislativo Municipal

Câmara de Palmas funcionará em novo endereço a partir de 2020

A estrutura da 104 Norte tem área total edificada de 5.065,55 metros quadrados, contra os 4.300 m² do prédio atual, localizado na Teotônio Segurado.


Saúde Animal

Seu Pet pode ser um doador de sangue


GOTE

Suspeito de cometer crime de coação é preso pela Polícia Civil no Norte do Estado


Educação superior

Universidade Estadual prorroga inscrições para Vestibular 2020/1 até 7 de novembro


Porto Cereais

Governo do Estado avalia concessão de benefícios fiscais para empresa que exporta feijão para China e Índia


AL

Presidente da ATS deve ser convidado a prestar esclarecimentos


TJTO

“Tudo funciona melhor quando nos colocamos na posição de ouvinte”, destaca o presidente do TJ ao abrir seminário



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira