Monday, 15 de July de 2019

OPINIÃO


Viver

Uma fotografia na parede

23 Apr 2018    16:07

Os roteiros mais lindos de Belo Horizonte são os que não existem. Aqui a poesia morou, viveu e fez escola. Carlos Drummond de Andrade, Pedro Nava, Emílio Moura, Gustavo Capanema e Milton Campos foram os primeiros, mostraram o caminho e acenderam a chama. Fernando Sabino, Otto Lara Rezende, Helio Pelegrino e Paulo Mendes Campos marcaram encontro e sopraram o velho vento da aventura. Em uma sucessão de gerações, jovens aqui nascidos e ungidos naquilo que já povoava a cidade, traduziram o que pairava sobre a capital que tinha uma vocação natural para a arte. Era a vez do lendário Clube da Esquina, que está aqui até os dias de hoje.

Como testemunha de tudo que viu bem de perto, o viaduto de Santa Tereza assistiu a todas essas estações, fazendo ponte entre a cidade que existia e a poesia que escorria pelas ruas. Cada geração cantou ao seu modo a saudade que havia dentro de cada um, o vazio que sentimos aqui dentro sem saber ao certo do que é. Acredito na força imanente das coisas que não são deste mundo e se edificam aqui só para termos certeza de que elas não existem. Assim vejo os arcos do viaduto de Santa Tereza como um umbral, que inspira a todos que passam por sobre eles. Foi assim com Drummond, que depois de passar a noite subindo Bahia e descendo Floresta, passava por cima dos arcos no caminho de sua casa, que ficava na rua Silva Jardim, 107. O relato é real do guarda que o flagrou lá no alto do arco de madrugada e lhe deu voz de prisão. Drummond respondeu: “Tudo bem, mas se quiser me prender terá que vir aqui”. O guarda que era desprovido de primaveras, temeu. Esperou por um tempo e foi embora. Drummond, pouco tempo depois, desceu e seguiu seu caminho natural, povoado de estrelas.

Fernando Sabino deu continuidade à tradição transcendental dos primeiros anos da capital e subiu nos arcos buscando o infinito. Tornou-se um encantado, para a vida toda. Depois, cheios de esquinas e muitos horizontes, os meninos de Santa Tereza liderados por Lô Borges - após curtirem o centro efervescente da cidade - voltavam sem bonde para Santa Tereza, depois de colher algumas estrelas caídas da cortina da noite. Assim Belo Horizonte se edificava, erguia ao céu, sem ser horizontal.

Retomando os caminhos Drummondianos na Belo Horizonte eterna, um grupo de poetas fez o mesmo percurso do jovem Carlos e pode ver como a cidade definha de forma uniforme. O viaduto tornou-se um flagelado, cheio de buracos e remendos, com seus postes carcomidos pelo tempo e a infalível insensibilidade humana. Não lembra, nem de longe, que foi um marco na Belo Horizonte que crescia, um símbolo da modernidade, quase uma ponte para o futuro. Como testemunha de todas essas coisas que faziam a vida da cidade e que não existem mais, o viaduto de Santa Tereza tornou-se um fantasma desolado, um reles ignaro esquecido, que todos passam por ele e nem o veem.

Assim vai a cidade, ficando pobre de nós mesmos, com seus homens do poder destruindo os nossos sonhos, acabando com nossas lembranças, assassinando todas as nossas esperanças... E como dói.

*Petrônio Souza Gonçalves é jornalista e escritor

COMPARTILHE:


Confira também:


Raio X

Inadimplência do consumidor cresce 0,9% no primeiro semestre de 2019

De acordo com o indicador do SPC Brasil, mais da metade das dívidas pendentes (53%) de pessoas físicas no país têm como credor algum banco ou instituição financeira

Turismo

Abrajet leva jornalistas para o Rally das Águas em Itacajá nesta sexta-feira

Com poucas vagas, as inscrições para participação estão sendo feitas pelo fone 63 99974-2116 com Suzana Barros, sócio fundadora da Abrajet-TO.



Cidades criativas

Quatro cidades do Brasil concorrem a títulos na Unesco

As regiões pretendem integrar a Rede de Cidades Criativas da entidade. Atualmente, o país conta com oito selos; resultado sai até fim de outubro


Grupo Record

Portal R7 ganha novas cores em ação dia e noite da Benegrip

Benegrip Multi Dia e Noite terá ação digital integrada em multiplataformas do Grupo Record


Tocantins

Grupos de Ajuda Mútua dão apoio a dependentes químicos e familiares durante e após recuperação

A Seciju, por meio da Gerência de Prevenção contra as Drogas e Núcleo Acolher, orienta dependentes e co-dependentes a procurar o serviço desenvolvido pelos grupos de ajuda mútua, como Alcóolicos Anônimos (AA), Narcóticos Anônimos (NA) e Amor- Exigente.


Reforma

Damaso vota por regra de transição diferenciada para professores e policiais


Influencer

Gabriel Farhat comanda direção artística de novo projeto musical


Defensoria

DPE-TO defende criação de ambulatório trans no Tocantins


Palmas

Cine Cultura renova parceria com Sessão Vitrine e promove encontro com o premiado produtor João Vieira na terça, 16


Em Palmas

Membro de grupo estratégico da Embrapa apresentará dados sobre produção e preservação no cerrado e Matopiba


Interior

Polícia Civil prende suspeito de estupro de vulnerável em Itacajá



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira