Friday, 18 de October de 2019

SAÚDE


Saúde

Diabetes não tira férias! Veja quais são os desafios para controlar a doença neste período

13 Jan 2019    17:27
Foto: TudoReceitas Diabetes não tira férias! Veja quais são os desafios para controlar a doença neste período

Se seguir a dieta durante o ano inteiro já é difícil, durante as férias essa
tarefa fica ainda mais complicada. Seja em casa ou viajando, as tentações
são mais frequentes – assim como as pequenas escapadas. Porém, para os 13
milhões de brasileiros que têm diabetes, a atenção precisa ser redobrada, a
fim de manter os índices glicêmicos adequados e controlar a doença: por
isso, boa alimentação e prática de exercícios devem continuar, assim como o
uso de medicamentos e a insulinização.

Insulinoterapia é considerada a alternativa mais difícil de ser aderida pelo
paciente, pois demanda aprendizado quanto ao seu preparo, técnica para
aplicação e monitorização do açúcar no sangue. Toda a rotina que envolve sua
administração pode ser deixada de lado nos dias de relaxamento; mas,
Fernando Valente, médico endocrinologista e Coordenador de Comunicação da
Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), orienta: “O diabetes não tira
férias! É importante carregar a insulina em um estojo que a mantenha em
temperatura adequada, além das agulhas, seringas ou canetas de insulina,
aparelho para medir a glicose (glicosímetro), lancetas para furar o dedo e
fitas para a medição”.

Adolescentes estão no grupo de pessoas que mais apresentam dificuldade, já
que o jovem passa por sentimentos de rebeldia, necessidade de autoafirmação
e períodos de desleixo. Para que o diabetes não saia do controle, o apoio da
família e dos amigos, assim como boa relação entre médico e pacientes, são
fundamentais para superar os desafios e fornecer o suporte para resistir às
tentações – não só nas férias.

Ainda há muita resistência à insulinização, especialmente pelas ideias
errôneas que a associam com a proximidade da morte, aparecimento de
complicações do diabetes e dor. O especialista da SBD conta que “a aplicação
é bem tolerada e quase indolor se for feita corretamente. No entanto, pode
transformar-se em algo muito complicado se a mente cria uma expectativa de
dor. Alguns erros de aplicação podem torná-la dolorosa, como injetar
insulina ainda gelada, aplicar no músculo ao invés de na gordura subcutânea,
usar agulhas grandes sem fazer prega na pele, reutilizar agulhas, e aplicar
quando se está tenso. Contudo, atualmente, existem agulhas muito finas e
curtas que minimizam o desconforto. A sensibilidade para dor de cada pessoa
é diferente, mas a prática diária e o entendimento de que o tratamento é
necessário certamente tornam as coisas mais simples”.

Indicações

O médico endocrinologista explica que insulinoterapia é indicada quando o
pâncreas não produz insulina, ou a produz em quantidade insuficiente para
manter os níveis de açúcar no sangue normais apenas com comprimidos. Sua
prescrição é imediata quando o diagnóstico é de diabetes tipo 1, inclusive
para evitar complicações agudas da doença. Já no tipo 2, essa terapêutica
pode demorar para ser proposta ou aceita, o que faz com que o início do
processo sofra atraso médio de sete anos.

“Essa inércia terapêutica deixa o indivíduo exposto a níveis elevados de
açúcar no sangue por anos, aumentando muito o risco de desenvolver
complicações crônicas da doença, como insuficiência renal, infarto, derrame,
problemas na visão e nos nervos, que podem resultar em amputação. Estudos
mostram que, no Brasil, cerca de 90% das pessoas com diabetes tipo 1 e quase
75% dos com tipo 2 estão com os níveis de glicose acima dos valores ideais”,
ressalta Valente.

Para diabetes tipo 1, a insulinoterapia é para a vida inteira; fato que não
se repete, necessariamente, no tipo 2 da doença. “A insulina é o tratamento
mais potente para controlar o açúcar no sangue. No tipo 2, quando a glicose
está muito elevada, o pâncreas não consegue secretar insulina mesmo que
ainda tenha uma boa reserva desse hormônio, fenômeno conhecido como
glicotoxicidade. Muitas vezes, as aplicações de insulina são necessárias
para tirar a toxicidade provocada pelos altos níveis de açúcar no sangue
para que o pâncreas volte a funcionar suficientemente a ponto de se obter um
bom controle apenas com medicamentos orais”, conclui Fernando Valente.

(RS press)

COMPARTILHE:


Confira também:


Proteção de Indígenas

MPF/TO recomenda providências para proteção de indígenas isolados avistados na Ilha do Bananal

A população avistada provavelmente é do povo Avá-Canoeiro, também conhecido regionalmente como “Cara Preta”.

AL

Presidente da ATS deve ser convidado a prestar esclarecimentos

Os deputados querem esclarecimentos sobre o pagamento dos serviços prestados ao Governo do Estado há mais de um ano. Na tentativa de sensibilizar a população, os manifestantes colocaram carros-pipa à frente da sede do Legislativo e também faixas com pedido


TJTO

“Tudo funciona melhor quando nos colocamos na posição de ouvinte”, destaca o presidente do TJ ao abrir seminário

O presidente do TJTO, desembargador Helvécio Maia, ressaltou que todas as ações do Poder Judiciário vêm sendo pautadas no diálogo com a sociedade e com todos os atores que compõem o Sistema de Justiça.


IEES

Semana de fisioterapia do HGP destaca avanços e atualiza profissionais

O evento acontece no Instituto de Excelência em Educação e Saúde (IEES), em Palmas e reúne profissionais de diversas áreas.


IFTO

Elenil apoia projeto do IFTO que vai levar cursos técnicos aos 139 municípios do Tocantins


Polícia Civil

Suspeito de aplicar golpes pela internet é preso pela Polícia Civil em Xambioá


Refis 2019

Refis 2019 negocia cerca de R$ 48 mi em quatro dias; negociações se encerram neste domingo, 20


Coca-Cola

Com conceito “Juntos a Magia Acontece”, Coca-Cola dá Início à Campanha de Natal 2019


Interior

Polícia Civil desarticula ponto de venda de drogas e prende dois traficantes em Itacajá


Agropecuária

Controle de comercialização de vacinas em lojas agropecuárias passa a ser informatizado



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira