Tuesday, 25 de June de 2019

SAÚDE


Comportamento

Mitos e verdades sobre o uso do fone de ouvido

25 Jul 2013

Estudos mostram que, o limite de tolerância ao ruído está relacionado ao tempo de uso e à intensidade do som. Para um nível de ruído de 85 decibels (dB), por exemplo, recomenda-se no máximo a exposição de 8 horas por dia. Sendo assim, quanto maior a intensidade do som, o indivíduo deve se expor ao ruído por menos tempo. “Em relação ao uso de fones de ouvido, o recomendável é utilizar o volume até a metade da sua capacidade, não tentar abafar o som externo e deixar em uma intensidade que ainda consiga ouvir a própria voz, além de não ultrapassar duas horas de uso”, recomenda Maria do Carmo Branco, fonoaudióloga do Grupo MicrosomGrupo Microsom, uma das mais conceituadas empresas de soluções auditivas do Brasil.

 

Além disso, segundo a especialista, as mesmas orientações devem ser respeitadas para o uso em apenas um dos lados e, neste caso, revezar entre as orelhas. Também é fundamental evitar tempos prolongados de uso do equipamento, higienizar os fones é um aspecto importante para manter a saúde das estruturas externas da orelha e, no caso de algum sintoma, como dificuldade auditiva, dor de cabeça, zumbido e/ou tontura persistentes após a exposição aos ruídos intensos, recomenda-se procurar um médico otorrinolaringologista para avaliar os sinais.

 

Confira abaixo quais são os mitos e verdades do uso do fone de ouvido:

 

O uso do fone de ouvido pode prejudicar a audição?

Verdade. A utilização prolongada dos fones de ouvido em alto volume pode causar danos, como perda de audição. Por isso, é muito importante que as pessoas fiquem atentas a qualquer variação na sensibilidade auditiva.

 

O uso de fones de ouvido pode aumentar problemas de audição, caso seja utilizado de forma inadequada?

Verdade. Se uma pessoa já apresenta uma perda auditiva, o uso inadequado (em alta intensidade por períodos prolongados) pode piorar, ainda mais, a audição residual.

 

O fone menor, posicionado no interior do ouvido, é pior que o fone maior?

Verdade. Fones menores, usados dentro do canal auditivo, podem ser, ainda mais, prejudiciais. Fones externos, para esse fim, são melhores.

 

O som muito alto ouvido pelo fone é tão prejudicial quanto um show com efeitos sonoros sofisticados?

Verdade. O som alto, seja ele nos fones de ouvido ou em um show, é prejudicial sempre que estiver nas seguintes situações: exposição por período prolongado, intensidade alta (volume) e frequência da exposição. No caso de fones de ouvido internos, isso pode ser, ainda mais, perigoso pela forma como o som atinge o ouvido.

 

Em ambientes com ruídos constantes, ouvir música pelo fone é relaxante e evita malefícios do barulho?

Mito. A música pode ser prazerosa e relaxante, mas para que o uso de fones não seja prejudicial, recomenda-se utilizar o controle de volume até a metade, por no máximo duas horas, manter o volume em um nível que ainda consiga escutar a própria voz e não tentar mascarar o ruído externo.

 

 O uso do fone em apenas um dos ouvidos tem gravidade menor do que a utilização em ambos?

Mito. Essa estratégia pode ser negativa se a pessoa, ao usar fone em apenas uma orelha, tentar aumentar, ainda mais, o volume, buscando ouvir a música e não ouvir o ruído externo. Neste caso, há risco do desenvolvimento de perdas auditivas unilateriais. A recomendação é a mesma: uso do controle de volume até a metade e cautela com o tempo de uso.

 

O fone de ouvido pode contaminar o ouvido da pessoa?

Verdade. O fone de ouvido não higienizado pode transmitir fungos ou bactérias para o ouvido, especialmente os fones pequenos utilizados internamente.

 

Algumas pessoas podem desenvolver sintomas, como o surgimento de labirintite, tontura e dores de cabeça por excesso de som alto?

Verdade. Muitos problemas de audição aparecem acompanhados de outros, como os descritos, já que o labirinto, órgão responsável pelo equilíbrio, está localizado na parte interna do ouvido. Muitos jovens (população que utiliza fones de ouvido com bastante frequência), já relataram ter escutado zumbido nos ouvidos. Mesmo que o sintoma desapareça depois de algumas horas, esse fato não deve ser ignorado e recomenda-se que a pessoa procure um médico otorrinolaringologista já que o zumbido pode ser um dos indícios iniciais do comprometimento auditivo. Vale lembrar que os prejuízos para a audição, em decorrência da exposição excessiva aos ruídos, são irreversíveis.

 

 

Fonte: Maria do Carmo Branco, fonoaudióloga do Grupo Microsom.

COMPARTILHE:


Confira também:


Sustentabilidade

Maior estacionamento solar do Brasil está localizado em Palmas

São mais de 1.000 metros quadrados utilizados nesse projeto, onde foram necessários instalar 500 painéis solares de 350 watts, cada

Aftosa

Primeira etapa da campanha registrou índice vacinal de 99,13% do rebanho tocantinense

Com um rebanho total de 8.356.175 bovídeos, o Tocantins registra índice vacinal acima de 99% na primeira etapa da campanha contra aftosa que também marcou o início da retirada da vacina contra a doença.


TJTO

Ex-prefeito de Taguatinga é condenado por não repassar a banco dinheiro de empréstimos feitos por servidores

Em sua decisão, o magistrado destacou que a conduta do ex-gestor, em se omitir do dever legal e contratual, quebrou um contrato e violou flagrantemente normas legais


Campo

Secretário da Agricultura apresenta potencial agropecuário para árabes

César Halum destacou a vocação agropecuária do estado e a posição estratégica do Tocantins com viabilidade econômica para investimentos.


Interior

Arraiá de Miracema conta com a participação de quadrilhas do município e da Capital


Tonolucro

Empresa completa marca de 1 milhão de entregas e consolida cultura de delivery na capital


AL

Sessão solene nesta terça-feira homenageia nordestinos residentes em Palmas


Votação

Presidente da Assembleia garante limpar a pauta de votação antes do recesso


Justiça

Violência contra a mulher: Defensoria está pronta para meter a colher sim


CAU/TO

Campanha “Compartilhando a Caminhada” arrecada calçados para instituições filantrópicas



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira