Wednesday, 21 de August de 2019

VIVER


Esta semana

Começa o Festival do Circo em Taquaruçu; programação é diversificada

04 Jul 2019    23:22
Gabriela Grammont Spicker Começa o Festival do Circo em Taquaruçu; programação é diversificada

Na quarta feira (03) o Festival de Circo de Taquaruçu começa com o espetáculo “Palhaço de La Mancha”, no Circo Os Kaco, às 18h. O espetáculo da companhia manauara, Cacompanhia de Artes Cênicas une o universo literário de Dom Quixote com a espontaneidade da palhaçaria, mesclando a loucura do personagem do livro com a loucura do palhaço.

Ás 20h o Grupo TaquaruCirco se apresenta com o espetáculo IntervenCIRCO. Os jovens artistas locais formado pelos Circo Os Kaco, serão responsáveis pela abertura oficial do Festival e por celebrar os 10 anos do Circo os Kaco.

E a primeira noite termina com show de Allan Giller Branco, o paranaense se apresenta às 21h30, no Circo os Kaco. A entrada é livre e a contribuição do público poderá ser feita através do tradicional chapéu dos artistas.

Mais sobre o "Palhaço de la Mancha"
O Palhaço de La Mancha é o projeto mais recente e absolutamente desafiador da Cacompanhia de Artes Cênicas que busca unir o universo literário de Dom Quixote com a espontaneidade da palhaçaria.  A Montagem traz quatro palhaços andantes que decidem se aventurar nas histórias do Cavaleiro da Triste Figura, a trupe que anda com uma carroça cheia de cacarecos remonta seletas histórias e sagas do herói torto da Mancha. A montagem se deu no primeiro semestre de 2018 com trilha original composta por Yago Reis e atuação de Klindson Cruz, Fernanda Seixas e Jean Palladino.

A Montagem é dirigida por Jhon Weiner de Castro (MG), natural de Ouro Preto e professor da Universidade do Estado do Amazonas. O Convite surgiu em 2017, quando Jean Palladino, que assina a adaptação, já rabiscava as ideias de um espetáculo que mesclasse a loucura de Dom Quixote com a loucura do palhaço.
A livre adaptação é assinada por Jean Palladino que deu base para a encenação de Jhon Weiner de Castro cujo trabalho se concentra no Teatro de Rua, linguagem que a Cacompanhia vem adotando em suas produções.

O espetáculo trabalha os aspectos simbólicos presentes na proposta que une a excentricidade do clown e a poesia presente na obra de Cervantes, os elementos cênicos estimulam a ludicidade do público que viaja com os palhaços nessa contação de história.
Os elementos visuais do espetáculo tiveram concepção coletiva e partiram de uma imagem que se apresentou em meio ao processo criativo, que era a morte de Dom Quixote ao pôr do sol, como se a noite viesse a razão e com ela uma escuridão inquietante que o levaria desse mundo são. A partir disso, a paleta de cores se concentravam em vermelho, amarelo e laranja e suas diversas tonalidades. Assinam a concepção de figurino Dione Maciel e adereços de Paulo Tiago e Francine Marie, a cenografia fica por conta de Jhon Weiner e Klindson Cruz.

O espetáculo nos aponta um caminho, uma aventura contra os moinhos desse fazer teatral na cidade, é indo a rua que nos colocamos em fronte de batalha, considerando a conjuntura política do país que necessita cada vez mais que vozes sejam escutadas, indo ao encontro do público que esvazia constantemente as salas de espetáculos. Neste processo cada palhaço e palhaça elegeu uma aventura do engenhoso fidalgo para encenar, assim dando a direção olhares multifacetados da obra, almejando encontrar uma similaridade entre os arquétipos dos personagens principais com as características de cada palhaço e palhaça.

A Companhia se dedica a espetáculos de rua numa postura política, criando mecanismos de acesso ao ir até o público para popularizar esta arte tão necessária saindo da comodidade das salas de espetáculo e provocando-se como fazedor teatral e como formador de plateia. Nada mais necessário que levar Cervantes em tempos tão delicados politicamente, economicamente e socialmente, quando a cultura vai mal o país vai mal e é o papel do artista ir para esse enfrentamento como Dom Quixote vai em busca do seu ideal de mundo. É com esse intuito que a Cacompanhia vem produzindo trabalhos na rua, o que nos trouxe a necessidade de um olhar mais experiente desse universo para levantar as estruturas desta aventura quixotenana.

COMPARTILHE:


Confira também:


Justiça

União pode bloquear repasses voluntários a estados, decide STF

A possibilidade do bloqueio está prevista no artigo 11 da Lei de Responsabilidade Fiscal (LC 101/2000), cuja validade é julgada nesta quarta-feira pelo plenário do Supremo.

Operação Medusa

Polícia Civil prende 15º suspeito da Operação Medusa

Deflagrada no último dia 15, a Operação Medusa visa combater ataques criminosos ocorridos em 2018 a mando de facção criminosa de renome nacional.


Saúde

Pacientes do Tocantins correm o risco de ficar sem diálise

Instituto de Doenças Renais não recebe repasses desde abril. 140 pacientes serão prejudicados pela ausência de recursos para oferecer o tratamento adequado


Fotografia

Dia da Fotografia com a TIM: dicas para tirar boas fotos e ofertas em smartphones

Quando o assunto é fotografia, o foco é o mais importante na hora de fazer os cliques. O elemento a ser destacado deve estar claro e bem posicionado.


Festival Gastronômico

Prefeitura lança programação artística do 13º Festival Gastronômico de Taquaruçu


AL

Audiência pública homenageia UMA e Siqueira Campos


Agricultura

Seminário de Apicultura supera expectativa em números de participantes


Futebol

Capital empata com Palmas na abertura do Estadual de Futebol Sub19


Taquaruçu

Governo inaugura Núcleo de Identificação de Taquaruçu e entrega viaturas e armamentos para a Polícia Civil


Sanidade Animal

Adapec reúne mais de 70 médicos veterinários autônomos para debater sanidade animal



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira