Tuesday, 18 de June de 2019

VIVER


Palmas

Nova exposição do Corredor Cultural da UFT vai abordar o olhar indígena sobre o cômico

22 Sep 2018    13:15    alterado em 22/09 às 13:15
Nova exposição do Corredor Cultural da UFT vai abordar o olhar indígena sobre o cômico

Teve início nesta sexta-feira (21) a nova exposição do Programa Corredor Cultural, da Pró-reitoria de Extensão, Cultura e Assuntos Comunitários (Proex), e que é realizada no hall do Bloco IV (Reitoria), no Câmpus de Palmas. A abertura oficial da exposição será às 9h, e tem como tema "De que riem os indígenas"  da artista Ana Carolina Fialho de Abreu.

Ana Carolina conta que a inspiração para o tema surgiu da sua participação em uma das oficinas de Andres Del Bosque, mestre bufão chileno, que compartilhou sobre diversos grupos indígenas que tinham na sua comunidade um personagem, um cômico ritual que tem a função social de fazer rir. "O riso é forma de denúncia pela luta social de seus povos, pacificador de seus conflitos internos e também como ato político", diz.

A artista esteve por seis anos em pesquisa de campo, vivendo na comunidade Krahô em contato com os Hôxwas. E por meio de estudos conheceu também os Llamichus. Ambos são cômicos rituais de comunidades indígenas, e que agora são o tema da sua exposição no Corredor Cultural da UFT.
A abertura da exposição de Ana Carolina terá uma roda de conversa com a artista e os estudantes Francisco de Holanda do curso de Licenciatura em Teatro e Giovana Kurovski, do curso de Filosofia, quando conversarão sobre a vivência na aldeia Krahô (Manoel Alves Pequeno) e mediação de cânticos indígenas e vissungos.

O Corredor Cultural
O Corredor Cultural é um programa de extensão da Universidade Federal do Tocantins (UFT), que visa ocupar o espaço expositivo localizado no prédio da Reitoria da Universidade, bem como circular entre os Câmpus da UFT. O Programa, por meio de edital, seleciona propostas expositivas de obras de artes visuais, categoria que engloba as áreas de pintura, escultura, gravura, desenho, fotografia, instalação e outras técnicas. Visando divulgar e estimular a produção de artes, sensibilizando a comunidade para a fruição artística.

COMPARTILHE:


Confira também:


Drogas

Maconha é a droga mais apreendida no Tocantins, revela estatística

O ranking aponta ainda um crescimento das ocorrências registradas no órgão em relação às apreensões de crack. Enquanto em 2017 foram 319 registros, em 2018, este número subiu para 432.


  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira